O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma O português nos 8 países da CPLP
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Por uma irmandade da língua
No espaço pluricontinental onde o português convive com outros idiomas locais

«A língua portuguesa é uma construção conjunta de todos aqueles que a falam — e é assim desde há séculos», escreve neste artigo, dado à estampa no semanário Expresso do dia 1 de junho de 2019, o jornalista e  escritor angolano José Eduardo Agualusa. «A minha língua — aquela de que me sirvo para escrever —, não se restringe às fronteiras de Angola, de Portugal ou do Brasil. A minha língua é a soma de todas as suas variantes. É plural e democrática.»

 

Português, modo de usar
As palavras mais frequentes e outros números da língua

As palavras mais frequentes da língua portuguesa e outros números a seu respeito numa infografia elaborada por Ana Serra e Ricardo Garcia para apoio documental do debate "Em português é que nos entendemos", transmitido em 6/06/2018 pela RTP3, no âmbito do programa Fronteiras XXI, resultado de uma parceria entre a RTP (Rádio e Televisão de Portugal) e a Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Obs.: Na secção "Quando a língua transforma um país em fruta", a transcrição do grego πορτοκάλι não está correta: onde se lê /protokáli/ deve ler-se /portokáli/. Incorreta está também a transcrição do exemplo árabe برتقال: em vez de /burtaqalum/, será preferível /burtuqālun/ ou /burtuqāl/. Os números a partir de cinco algarismos também não deviam ser grafados com ponto (10 000, e não "10.000", por exemplo); e o aportuguesamento  jiadista não leva agá.

Que língua é esta?
Texto-suporte do programa Fronteiras XXI, na RTP 3, sob o tema "Em português é que nos entendemos"

«Há cada vez mais pessoas a falar português. Pelo menos é o que nos dizem os números: 261 milhões agora, 520 milhões em 2100. Mas há só um português, ou vários? E do que falamos quando falamos de falantes?»

[artigo da autora, transcrito  da página do programa Fronteiras XXItransmitido na RTP 3, dia  6 de junho de 2018]

Português para todos

«Ensinar a ler e a escrever uma criança que não fala português porque é outra a sua língua materna requer metodologias e técnicas de ensino diferentes das que são usadas no ensino de crianças que já falam a língua, ou para as quais o português é a primeira língua» – lembra Maria de Lurdes Rodrigues, professora do ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa e ex-ministra da Educação (2005-2009) em Portugal, a propósito do estatuto do português nos sistemas de ensino de países como Cabo Verde, Angola, Timor-Leste ou Moçambique. Texto publicado no jornal português Diário de Notícias em 12/4/2017.

Serviço público da língua portuguesa

«A língua portuguesa tem uma difusão planetária», recorda neste texto* o antigo ministro da Educação português e atual administrador da Fundação Calouste GulbenkianGuilherme d'Oliveira Martins, avisando: «Tal obriga [a] que as instituições de ensino superior e de investigação, em especial as que se dedicam à cultura e à defesa do nosso idioma, desenvolvam ações articuladas, coerentes e persistentes, em ligação com os Estados que usam o português como língua oficial, bem como com as instituições da sociedade civil, no sentido de pôr em comum as ações necessárias com vista à preservação, salvaguarda e desenvolvimento da língua e da cultura. (...)»

* in jornal Público de 26/09/2016

O modelo, as características<br> e como está a ser desenvolvido <br> o  Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa

«Marco não apenas para a história da lexicografia de língua portuguesa mas também da sua ortografia. Pela primeira vez, temos uma mesma norma ortográfica aprovada por todos e aplicada ao vocabulário de cada um dos países de forma consensual. Mas o VOC apresenta-se também como a pedra basilar de um novo modelo de gestão desta língua, em que todos os Estados são instados a participar em igualdade de circunstâncias na definição e construção dos seus instrumentos reguladores e em que o IILP se assume como um centro de articulação da vontade e do esforço coletivos, no sentido do desenvolvimento de instrumentos linguísticos comuns e de gestão partilhada a língua que nos une. Com o VOC inaugura-se, portanto, um modelo de gestão linguística único no que concerne às grandes línguas pluricêntricas mundiais.»

[Margarita Correia, na apresentação do Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (VOC), ocorrida no dia 19 de fevereiro de 2015, na sua qualidade de coordenadora da equipa central que articulou os trabalhos com cada um dos grupos encarregados da elaboração dos Vocabulários Ortográficos Nacionais nos países africanos de língua oficial portuguesa e de Timor-Leste.]

O Instituto Internacional da Língua Portuguesa  <br> e o legado de Gilvan Müller de Oliveira

 «Criado em 1989 em 1989 na primeira reunião dos chefes de Estado de todos os países que adotam o português como língua oficial, [o IILP] é hoje o fórum para a gestão compartilhada de todos os aspectos da língua que sejam do interesse conjunto desses países.»

 

O português é uma língua em franca expansão no cenário internacional: vem crescendo o número de seus falantes como primeira e segunda língua e como língua estrangeira.

Oito séculos, oito palavras, oito países

A riqueza e diversidade da língua portuguesa idioma oficial dos oito países da CPLP – passam, também, por um sem-número de palavras de significado e utilização especificamente nacionais. Recordemos oito delas a título de exemplo, na data que assinala, simbolicamente, os oitocentos anos do primeiro documento oficial escrito em português. (...)