Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Evolução semântica
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo
Por Susana Venceslau, Gabriela Chagas

Porquê, e desde quando, uma patologia ou uma mera afetação de índole neurocomportamental como é o caso do autismo, passa a ter uma conotação – depreciativa e, não, raro ofensiva, mesmo – muito para além do sentido estrito da palavra em si? E quem mais recorre a este tipo de léxico? O Dia Mundial de Consciencialização do Autismo justificou este trabalho de duas jornalistas da agência Lusa, que a seguir se transcreve, com a devida vénia.

 

 

Imagem de destaque do artigo

Crónica de Wilton Fonseca acerca de como a vida política em Portugal tem consequências até linguísticas, como seja o empobrecimento semântico do verbo prescrever (texto publicado no jornal i de 20/03/2014).

 

 

A ministra da Justiça prescreveu a receita do êxito: viu o seu ministério eleito o primeiro executor das exigências da troika e garantiu que a impunidade não tem futuro em Portugal.

Uma reflexão — publicada no semanário Expresso de  2/07/2011 — sobre a nova acepção dada à palavra reforma, nestes tempos em que, em nome da crise e da austeridade económica que varre em particular Portugal e os demais países periféricos da União Europeia, o que está a ser aplicado  está a pôr em causa precisamente o que foram as verdadeiras reformas ao longo dos tempos.