O caso alemão - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
O caso alemão

Não é só a língua portuguesa que se mostra sensível às mudanças. O exemplo mais paradigmático é o da língua alemã.

Já no final do século XIX foram intensas as discussões para se adoptar uma ortografia unificada, o que só veio a acontecer em 1901, com base no dicionário do filólogo Konrad Duden. Com a separação da Alemanha, entre 1945 e 1991 –  e sem tempo para o regime nazi impor uma reforma ao estilo da que agora vigora  –,  desenvolveram-se regras diferentes para as edições do Duden no Oeste e no Leste. E desde 1980 que se realizaram encontros para a reforma. Mas foi em 1996 que a polémica estalou. Após anos de trabalho de uma comissão, a Alemanha, a Suíça, a Áustria e o Liechtenstein (o Luxemburgo ficou de fora) assinam uma declaração conjunta para a aplicação de uma reforma ortográfica. Na Feira do Livro de Frankfurt, uma centena de escritores e professores universitários, com Günter Grass à cabeça, manifestou-se contra a reforma. O caso chegou ao Supremo Tribunal alemão, que em 1998 deu provimento à reforma, mas tornando-a obrigatória apenas nas escolas.

A partir de 1998 as novas regras ortográficas começaram a aplicar-se em todas as escolas dos países germanófonos. No entanto, foi concedido um período de transição até 2005.

A controvérsia foi-se mantendo ao lume – com os estados federados da Baviera e da Renânia do Norte-Vestefália a recusarem a reforma. O caldo entornou quando o Frankfurter Allgemeine Zeitung, prestigiado diário, resolveu voltar às regras antigas. Sondagens indicam que a larga maioria dos alemães está contra a reforma. Aos poucos, outros títulos de estilos tão diversos como o Bild (tablóide) ou o Die Welt (de referência) seguiram o periódico de Frankfurt.

Perante este panorama, os ministros da Cultura decidiram, em 2004, fazer uma "reforma à reforma", que entrou em vigor no ano passado e à qual os estados federados rebeldes se subjugaram. Mas o assunto continua longe de ser pacífico.

Fonte

texto publicado pelo semanário Sol, de 1 de Setembro de 2007

Sobre o autor

César Avó é coordenador executivo (Internacional e Ed. Angola) do jornal Sol.