Acordo ou ou desacordo? - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
Acordo ou ou desacordo?

Acordo ou desacordo? Parece que ninguém se entende bem nesta questão de ortografia da língua portuguesa, sobretudo os maiores interessados, que são os povos que a falam. Cada um acha que o outro foi o privilegiado na escolha da forma para a grafia, e todos temem se atrapalhar na hora da mudança.

O acordo ortográfico começou a tomar forma em 1986 e foi decidido por uma comissão formada de um brasileiro — Antônio Houaiss — e vários portugueses, além de observadores das repúblicas africanas de fala portuguesa. A pretensão inicial era apenas a louvável unificação das ortografias brasileira e portuguesa. Mas desde o princípio foi olhado meio enviezado e com má vontade e chegou a ser chamado Acordo Mortográfico, porque achavam que não emplacaria. Agora, entretanto, parece que vai emplacar e entrar como norma.

Porém, o projeto inicial ampliou-se e foram incluídas a abolição do hífen, do trema e do H interior.1 Só faltaram incluir a abolição da escravatura... Y, W e K voltarão triunfantes. À primeira vista parece simplificar a nossa vida, esta atualização do código escrito. Mas, na realidade, embutidas nestas regrinhas simples, estão as exceções que vão ser pedras no sapato do já mal alfabetizado povo brasileiro. Afinal, a palavra escrita é um retrato que temos na mente, e a ausência do hífen iria provocar grafias quilométricas que são avessas ao espírito da língua portuguesa, de certa forma, assemelhando-a ao alemão, esse, sim, com uma longa tradição aglutinativa.

A primeira ortografia da língua portuguesa pertence a uma época remota quando o Brasil ainda não existia como nação. Foi a fase fonética e reinou durante este período a anarquia ortográfica. A seguir, por influência dos escritores clássicos chegando aos românticos, tivemos um período do pseudo-etimológico, quando ressuscitaram letras mortas e sem valor fonético. Foi o tempo da “asthma” e da “physica”.

A partir de 1911, Gonçalves Viana, em Portugal, lançou bases da atual ortografia, adotada no Brasil com modificações, oficialmente em 1943. E é a que usamos hoje. Posteriormente, houve uma tentativa mal sucedida de reformulação e unificação em 1945, logo anulada. Chegou a ser ensinada nas escolas e adotada em livros didáticos. Mas foi revogada.

A partir de então, a língua portuguesa ficou com as duas ortografias oficiais, o que se tornou um problema mais político que lingüístico, pois a língua portuguesa ficou regida por duas leis ortográficas, o que acontece com nenhuma outra língua.

Continuando as mudanças unilaterais, em 1971, foram suprimidos os acentos diferenciais — ainda hoje usados (sêca — seca/ côco — coco), inadvertidamente, por muitos que foram alfabetizados antes desta data.

O atual projeto de reforma que partiu de uma acertada decisão de unificar as «grafias» (porque nem a língua, nem os usos, nem as pronúncias jamais serão regidos por lei) ao ampliar-se, encontra ainda forte reação, sobretudo dos intelectuais portugueses.

O acordo/desacordo será uma adaptação, um ajuste, havendo, inclusive, casos opcionais. É como funcionam as reformas ortográficas em espanhol, sabiamente conduzidas e autoritariamente impostas pela Real Academia Espanhola a todos os países «hispanohablantes».

A reforma é apenas uma pequena tentativa de atualização de grafia, ajustando-a aos usos comuns dos povos lusófonos. Vamos chegar a um acordo sobre o que for resolvido sobre nossa ortografia?


 

1 N. E. Algumas precisões, assinaladas pelo nosso consultor D´Silvas Filho:

1. No acordo de 1990, unicamente está previsto suprimir o hífen nos seguintes casos: a) locuções como fim de semana; b) sempre com o prefixo co-, como em coocupante; c) nas palavras compostas em que a vogal de terminação do primeiro constituinte é diferente da vogal de início do segundo, como em autoestrada; d) quando na palavra composta o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com r ou s, como em cosseno; e) nas formas monofásicas do presente do indicativo do verbo haver: hei de, hás de, hão de. Em todas as outras formas o hífen permanece na norma comum; exemplos: tio-avô, verde-claro, Grã-Bretanha, erva-doce, mal-grado, bem-aventurado, além-mar, Lisboa-Porto, cor-de-rosa, pós-diluviano, anti-ibérico, ab-rogar, ex-director, vice-cônsul, pan-africano, inter-resistente (porque fundir alteraria a fonia), sobre-humano, sub-bibliotecário, etc. Em síntese, o hífen não será suprimido, sendo mais corre(c)to afirmar-se que pouco mudará neste capítulo.

2. O trema já tinha sido abolido em Portugal na norma de 1945. Só é autorizado em palavras derivadas de nomes próprios estrangeiros, siglas, unidades. O novo acordo suprime-o também para o Brasil nos grupos gu e qu quando o u é pronunciado  (ex.: linguista, sequência, etc.).

3. Há muito tempo que o h interior foi suprimido nas duas normas (ex.: desoras, desumano, etc.).


Fonte

*in Colunistas, sob o título "Acordo Ortográfico"

Sobre a autora

Nelly Carvalho. Pela Universidade Federal de Pernambuco, possui o curso de graduação em Letras (1957), mestrado (1982) e doutorado (1993). Atualmente é membro da comissão editorial da Companhia Editora de Pernambuco, faz parte da diretoria da Aliança Francesa, professora da Faculdade Frassinetti do Recife, conselheira do Conselho Estadual de Educação, professora adjunto 4 da Universidade Federal de Pernambuco, colunista do Jornal do Commercio desde o ano de 1983, membro do Conselho Científico da Revista Investigações como também da Coleção Linguagens da Editora Prismas (Curitiba). Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Linguística Histórica - atuando principalmente nos seguintes temas: Publicidade, Cultura, Léxico, Linguagem e Língua Portuguesa.