Academia Brasileira de Letras prepara novo Vocabulário Ortográfico - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
Academia Brasileira de Letras prepara novo Vocabulário Ortográfico
Academia Brasileira de Letras prepara novo Vocabulário Ortográfico

texto descritivo da imagem

A Academia Brasileira de Letras conta ter pronto até Novembro deste ano um novo Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa – noticiou a Folha Online, de 1 de Julho de 2008. Contará com 370 mil entradas e prevê, já, uma redução das regras do uso do hífen. Portugal – onde o único vocabulário publicado, em 1940, com 250 mil verbetes, se encontra há muito esgotado – e os restantes países lusófonos foram postos à margem desta iniciativa, a despeito da sua importância no contexto da entrada em vigor do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

 

 

Um novo VOLP (Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa) está sendo elaborado para a ABL (Academia Brasileira de Letras). Esta será a quinta edição da publicação, que registra a forma oficial de escrever as palavras no Brasil.

Segundo Evanildo Bechara, responsável na entidade pelo setor de lexicografia e lexicologia (ramo da lingüística que estuda a origem das palavras e seus significados), o trabalho deve ser concluído até novembro.

O Volp deverá conter cerca de 370 mil verbetes. A expectativa é de que ponha fim a um dos pontos que permanecem controversos em relação ao Acordo Ortográfico da língua portuguesa: o uso do hífen.

«Apresentei uma leitura palatável do emprego do hífen. Estamos preparando um sistema que basta a pessoa ver a natureza do primeiro e do segundo elemento, a letra que termina um e começa o outro, para saber se levará hífen ou não», afirma Bechara.

O acadêmico acredita que futuramente será possível reduzir o número de exceções à regra que foram mantidas no acordo. Um dos pontos que causam mais dúvidas é a que determina que as palavras podem prescindir do hífen quando a palavra tiver perdido o sentido de composição, critério considerado muito subjetivo. «A meu ver, acho que seria o momento de abolirmos essas exceções», diz.

Decisão unilateral

Apesar de o Acordo Ortográfico ter sido feito de forma conjunta entre os países que falam o idioma português, para elaborar o Volp não haverá qualquer consulta aos portugueses. «Mesmo porque os portugueses se deram um prazo de seis anos [para  a entrada em vigor das mudanças], enquanto nós vamos adotar a nova ortografia já a partir do ano que vem», explica.

No Brasil, a nova ortografia passa a valer a partir [de 2009], pelo menos para documentos oficiais e para a mídia. No ensino público, o cronograma de implementação começa em 2010, com os livros didáticos para as turmas dos primeiros cinco anos de estudo do ensino fundamental. Até 2012 as novas regras serão adotadas para todas as séries.

 Cf. – 10 anos da reforma ortográfica no Brasil

Fonte

in Folha Online, 1 de Julho de 2008

Sobre o autor

Deh Oliveira é jornalista no Folha de S. Paulo.