A língua portuguesa e a latina - Antologia - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Outros Antologia Artigo
A língua portuguesa e a latina
Já me fizeram cargo os meus censores
de ter muito latim portuguesado.
Mais honra me fizeram que eu mereço.
em dar sobejo preço os tais senhores,
dar sobeja importância a quatro trovas
que nuns borrões lancei por desenfado.
e à luz dei só por míngua de dinheiro.
Mas, pois tão alto vai esse arruído,
permitam-me acudir por meu cliente.
Se cunho português dei a latinas
vozes, e é crime pôr-lhe cunho alheio.
réus desse crime são quantos escrevem
depois de tantos séculos na Europa,
que co roubado estafo dos Romanos
cobriram a nudez desses vasconços.
que com vil lodo a face enxovalhavam
da terra, a sáfios bárbaros sujeita.
Réu quero, como Camões, ser desse crime
voluntário e não dar francês bastardo.
qual dá da nova seita o soez cardume.
Sujeita a antiga Europa à antiga Roma,
falou polida a língua vencedora;
vencidos os Romanos pela bronca,
hiperbórea relé, Sicambros, Cimbros,
nós, Lusitanos, com farragem goda
logo a latina tela entretecemos;
e, não contentes inda, a bordadura
de engasgado mourisco lhe cosemos,
coa franja multicolor de tantas línguas,
quantas não deu Babel, no louco arrojo
de querer ter mirante sobre as nuvens.
Convinha povoar as terras ermas
das gentes que segou a fronte avara
dos belicosos reis conquistadores.
Chamaram-se de incógnitas províncias
povos de estranhas línguas, que o tecido
da nossa com mais tinta alagartaram
Eis que começa de apontar na Itália
das boas letras a bem-vinda aurora.
Acorrem de um e de outro reino a ela
os moços, de ciência cobiçosos:
abraçam com ardor as doutas línguas
e vêm contentes derramar seu lustre
pelo escuro sertão do pátrio idioma.
Resta agora entender se foi acerto
nos que a língua tão rude nos poliram
co romano esmeril, tornando-a ao grémio
da perdida opulência, ou se deixá-la
no vândalo paul, suevo ou gado.
Quem não diz que mais val desbastar hoje
do bárbaro falar a língua lusa.
introduzindo os termos da latina
que o vasconço primevo desbastara,
que estragá-la com vozes alforrecas:
babugem que nas ribas portuguesas
lança a lição de sécios bonifrates,
que de alheio país só balbuciam
geringonça bastarda, mal intrusa?
Muitos que hoje escrevem franceseiam;
francesear agora é tão absurdo,
quanto o fora nos séculos latinos
vandalear, falar suevo ou godo.
Francesear em língua portuguesa
se atrevem quatro tolos vangloriosos
de uns laivos, que puseram mal assentes
na Face maternal, que se envergonha.


Fonte
In Obras Completas, colecção Clássicos da Literatura Portuguesa, Braga, Edições APPACDM, 1998-1999, vol. IV.

Sobre o autor

Filinto Elísio (Lisboa, 1734 – Paris, 1819), foi um poeta, tradutor e sacerdote. Enquanto sacerdote foi influenciado pelo arcadismo e pelo iluminismo, o que o levou a ser denunciado à Inquisição. Nestas circunstâncias, viu-se obrigado a fugir para Paris, e foi aí que escreveu grande parte da sua poesia, que só seria publicada após a sua morte em Obras Completas, (1817-1819).