Sereia ou sirene? - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Sereia ou sirene?

Na minha infância, meus Pais e Avós diziam sereia quando se referiam àquele som sibilante em crescendo produzido por apito, posteriormente adoptado e generalizado pelas ambulâncias, carros de polícia e outros.
Aviso sonoro usado para aviso de ataque aéreo, na Guerra 39-45.
Etc.

Também o usavam, por vezes, como sinónimo de "ronca" aquele aviso sonoro que substitui a luz dos faróis no caso de nevoeiro.

Penso ter explicado aquilo que pretendo explicar.

Lamento não ter sabido ser mais conciso e preciso.

Agora é "bonito" os meninos da TV dizerem: "sirene".

Foi ensinado ser esta palavra francesa, logo, galicismo! E, portanto, reprovada!

Quid iuris?

Muito obrigado pelos vossos ensinamentos.

Azevedo Mavigné Portugal 6K

O termo sirene é um galicismo que entrou na nossa língua sem precisar praticamente de adaptação. Cópia do francês "sirène", ouve-se cada vez mais a sirene da polícia, a sirene da ambulância, a sirene dos bombeiros... O termo sereia, com o mesmo significado, parece estar a cair no esquecimento, o que é pena. Também gosto de ouvir a sereia da fábrica ou a sereia do navio...

Sobre os estrangeirismos, o melhor é dar a palavra ao grande mestre Rodrigues Lapa, que, na sua Estilística da Língua Portuguesa (Coimbra Editora, Limitada), escreve: «A adopção dos estrangeirismos é uma lei humana e particularmente portuguesa: constitui como que uma fatalidade, devida aos intercâmbios das civilizações. A língua, especialmente o vocabulário, só tem a lucrar com isso. O ponto está em que essa imitação não exceda os limites do razoável e não afecte a própria essência do idioma nacional.»

Maria João Matos