O verbo pôr e as expressões idiomáticas - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O verbo pôr e as expressões idiomáticas

Tenho verificado que em certo canal pretensamente cultural e rigoroso (como se classifica) o locutor (por ele ou pelo responsável do guião) evita constantemente empregar o verbo “pôr”.
Assim e por mais de uma vez deparei-me com a enormidade: «Colocou-se (alguém) em fuga.»
A minha pergunta é:
Em expressões idiomáticas será lícito substituir um verbo pelo (aparente) sinónimo?

Luís Amaral Afonso Portugal 3K

De facto, é frequente os falantes julgarem erradamente que certas formas são vulgares ou pouco compatíveis com determinado registo de língua. A tendência deles é, pois, alterar certas construções ou aplicar indevidamente certas regras, adequando-as à ideia que têm do registo mais formal. Trata-se de uma situação que tem que ver com a relação do falante com a própria língua e com a comunidade que a usa, podendo inserir-se no fenómeno da hipercorrecção: este consiste, no fundo, em alterar certas formas linguísticas na crença de que estas estão incorrectas.

Assim, a expressão «colocar-se em fuga», embora utilizada, é um tanto rebuscada, procedendo talvez de um juízo erróneo sobre a falta de adequação de pôr, verbo mais corrente, a uma situação de comunicação menos descontraída. A realidade, porém, é que a locução tradicional e dicionarizada é pôr-se em fuga, «desaparecer, escapar» (Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, 2001, da Academia das Ciências de Lisboa).
É, pois, de evitar a substituição de pôr por colocar em expressões idiomáticas como pôr de parte, pôr no papel, pôr o dedo na ferida, pôr por/em miúdos, entre outras (cf. idem, ibidem).

Carlos Rocha