O provérbio «Quem tem boca vai a Roma» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O provérbio «Quem tem boca vai a Roma»

Popularmente diz-se «Quem tem boca vai a Roma», quando a forma correta seria: «quem tem boca vaia Roma.»

Considerando ser a segunda forma a correta, qual é a explicação de «vaia Roma»?

Agradecida pela colaboração.

Gabriella Gavioli Aposentada (pintora autodidacta) Santos, S .Paulo, Brasil 33K

A consulente começa por afirmar que a conhecida sentença «Quem tem boca vai a Roma» está incorrecta e que a frase correcta seria «Quem tem boca vaia Roma». Depois, pede a explicação da última frase.

A minha resposta vai, assim, conter um comentário sobre a eventual “correcção” das frases e a respectiva explicação.

Quanto à “correcção”, é óbvio que ambas as frases estão correctas. Agora, qual é a frase original? Os dados que tenho apontam no sentido de a frase original ser «Quem tem boca vai a Roma».

Desconheço em que é que a consulente se fundamenta para dizer que é a outra.

Considero que a primeira frase deverá ser a original por cinco motivos, que passo a enunciar.

1. É assim que ela está registada em obras de referência como, por exemplo, o Dicionário de Máximas, Adágios e Provérbios, de Jayme Rebelo Hespanha (1936), a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira (1948), o Grande Dicionário da Língua Portuguesa de António de Morais Silva (1949 a 1959), o Livro dos Provérbios Portugueses, da Editorial Presença (1999), o Dicionário de Provérbios, Adágios, Ditados, Máximas, Aforismos e Frases Feitas, da Porto Editora (2000).

2. Este provérbio tem variantes, o que demonstra a vitalidade da ideia aí defendida: «Quem tem língua vai a Roma»; «Quem língua tem a Roma vai e de Roma vem»; «Quem tem língua a Roma vai e vem».

3. Roma entrou no adagiário por causa da sua importância, do seu valor, do seu mérito, e não por aspectos negativos: «Roma locuta est» (= «Roma falou»: se Roma falou, o que ela disse deve ser seguido pelos católicos); «Roma locuta, causa finita» (= «Roma falou, a causa acabou»); «Roma e Pavia não se fizeram num dia»; «Em Roma, sê romano»; «Todos os caminhos vão dar a Roma», «O que vai aqui não vai em Roma».

4. A frase «Quem tem boca vai a Roma» traduz a notoriedade da Cidade Eterna, mas também a verdade de que quem sabe perguntar consegue chegar seja onde for (literal e figuradamente), consegue obter os conhecimentos de que precisa para se orientar. As palavras-chave aqui são três: boca, vai e Roma. A boca significa a capacidade de falar, de perguntar, de comunicar; o verbo ir tem que ver com o percurso, a caminhada, significando passar de um lugar a outro, deslocar-se, mas também evoluir, progredir; Roma fora, aquando do Império Romano, a capital, a cidade mais importante do mundo conhecido dos europeus, mas uma cidade que ficava longe, sob o ponto de vista dos mais remotos territórios que constituíam o vasto império, e, por outro lado, esta é a cidade cabeça da Igreja Católica, traduz a própria Igreja, o seu governo, o papado, significando para os católicos o que de melhor existe e que se procura alcançar. Chegar a Roma poderá ser difícil, mas quem tem a capacidade de falar ultrapassará os obstáculos e alcançará o que pretende: conseguirá chegar longe, até conseguirá chegar a Roma.

5. Há mais de cinco décadas que oiço a frase «Quem tem boca vai a Roma» a propósito de diversas situações do dia-a-dia, mas nunca ouvi a frase «Quem tem boca vaia Roma», que, aliás, não tem qualquer valor como máxima, como sentença para orientação da vida das pessoas, que é o que acontece com a generalidade dos provérbios.

Quanto à explicação da segunda frase, são também três as palavras-chave: boca, vaia e Roma. De boca e de Roma já se falou; quanto a vaiar, significa apupar, insultar, manifestar desaprovação ou desagrado por meio de assobios ou de insultos. Esta frase quereria então dizer que quem sabe falar insulta o poder, ou seja, que o indivíduo que domina a palavra, porque a domina, insulta o símbolo do poder ou da Igreja. Ora, uma frase destas não corresponde ao que é consensualmente aceite na tradição popular portuguesa.

Maria Regina Rocha
Tema: Provérbios Classe de Palavras: substantivo