Católico, "catolicato" e "catolicossato" - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Católico, "catolicato" e "catolicossato"

Os patriarcas das Igrejas da Geórgia e Armênia, entre outras, recebem o título de “catholikós”, e a província eclesiástica sob a sua jurisdição tem o nome de “catholikossato”, que é o mesmo que “patriarcado”.
Pergunto-lhes: estes dois vocábulos estrangeiros em apreço podem ser ou já são aportuguesados, respectivamente, como “católico” e “catolicato”?
O fato de a palavra “católico” já ter outras acepções não a impede de ter mais esta: a de patriarca de uma igreja oriental. Não é isto mesmo?

Ney de Castro Mesquita Sobrinho Vendedor Brasil 2K

O vocábulo «catolicato» não aparece em nenhum dos dicionários consultados – o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (1.ª reimpressão com alterações, 2004), o Grande Dicionário da Língua Portuguesa de António Morais e Silva (2002), o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências (2001) e o Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa de José Pedro Machado (1990) –, do que se depreende que não faça parte da língua portuguesa.

Quanto à palavra católico [adjectivo e substantivo] e à sua possível relação com a forma “catholikós” (para designar «os patriarcas das Igrejas da Geórgia e Arménia»), importa precisar a etimologia de católico, que, segundo José Pedro Machado, provém «do grego katholikós, “geral, universal” (he katholike ekklesía, “a Igreja Universal ou Católica”)» e, também, do «latim catholicu-, “universal, católico”» (Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa; itálico do original a negro). A transcrição em alfabeto latino do vocábulo grego é, portanto, ‘katholikós’.

No que se refere ao significado que se pode atribuir ao nome/substantivo católico, o Grande Dicionário da Língua Portuguesa de José Pedro Machado (1991) esclarece que, para além de «aquele que professa a religião cristã da Igreja de Roma, que tem por chefe o papa», o termo é usado também para representar o «primaz de algumas igrejas asiáticas». Assim sendo, tal como o consulente questionara, a palavra «católico» tem também este valor/sentido, ou seja, o de «patriarca de uma igreja oriental».

Por outro lado, tendo em conta que patriarcado deriva de patriarca através da sufixação de -ado, elemento que significa genericamente «território subordinado a um titular» e «instituição, titulatura» (cf. Celso Cunha e Lindley Cintra, Nova Gramática do Português Contemporâneo, 1984, pág. 96), compreende-se a formação de “catolicato”, derivado de católico e do sufixo -ato (como -ado, também com o sentido de «instituição, titulatura», idem). No entanto, "catolicossato" ocorre num documento em linha da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa), aparentemente com o sentido referido pelo consulente. Trata-se de uma forma que corresponde ao inglês “catholicossate”, que se aplica à titulatura da a Igreja Apostólica Arménia. Note-se, porém, que em inglês também se usa “catholicate”, referido a outras igrejas orientais, entre as quais se conta a síria.

Há, portanto, duas formas possíveis que não estão ainda dicionarizadas: uma, “catolicossato”, que parece ter como base o grego ‘katholikós’ e outra, “catolicato”, derivada do latim ‘catholicu-‘. Aparentemente, a melhor seria “catolicato”, uma vez que o latim é tradicionalmente o medianeiro entre o grego e o português. No entanto, como pode haver razões que não as lingu[ü]ísticas para distinguir os “catolicossatos” da Igreja Arménia dos “catolicatos” da Igreja Síria, aceitamos para já ambas as formas, enquanto não tivermos o auxílio de um especialista em igrejas cristãs orientais.

Carlos Rocha/Eunice Marta