Azeri ou azerbaijanês? - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Azeri ou azerbaijanês?

Qual a forma correcta para designar a naturalidade de um cidadão do Azerbaijão: azeri ou azerbaijanês?

A referência que encontrei no ‘site’ não é clara, pois indica que não se deve utilizar "azeri" (na busca por palavra) mas já no texto refere "azerbeijanês" nos "exemplos de casos normalmente mal empregues".

Miguel Sobral Cid Lisboa, Portugal 5K

O gentílico respeitante a Azerbaijão é, segundo o dicionário da Academia das Ciências de Lisboa, azerbaijanês e de acordo com o Dicionário Houaiss (versão brasileira) azerbaidjano. Neste último, encontra-se atestado azeri, mas com remissão para azerbaidjano. No entanto, se procurarmos na Internet, verificamos que as ocorrências da palavra azeri são em muito maior número do que azerbaijanês.

N. E. (2/10/2013) – A tendência identificada pela consultora acabou se impor nos vocabulários ortográficos publicados em Portugal a partir de 2009, no contexto da aplicação do Acordo Ortográfico de 1990. Assim, azeri já se encontra registado no Vocabulário Ortográfico do Português (Portal da Língua) e no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Porto Editora. Também incluem esta forma o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora (disponível na Infopédia) e o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, embora a o primeiro a remeta para azerbaijano, e o segundo, para azerbaijanês, por sua vez apresentado como sinónimo de azerbaijano. Tudo isto sugere que, em Portugal, azeri é forma que a norma passou a aceitar, apesar de  a remissão para azerbaijano e a azerbaijanês mostrar maior favor quanto a estas palavras.

Maria Celeste Ramilo