Arriscar e arriscar-se - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Arriscar e arriscar-se

O verbo arriscar, quando usado pronominalmente, rege a preposição a? Ou seja, podemos considerar correctas as seguintes construções:

— «arriscamos, pois, dizer que este entendimento é consensual»;

— «arriscamo-nos, pois, a dizer que este entendimento é consensual»?

Sendo arriscar(-se) transitivo, na primeira frase o complemento directo é «dizer»; já na segunda frase o complemento directo é o pronome pessoal, razão por que se entende, depois, a necessidade da preposição. Estarei a fazer o raciocínio correcto?

Inês Cardoso Professora Ílhavo, Portugal 6K

O verbo arriscar é transitivo directo e, na primeira frase, tem como complemento directo a expressão «dizer que este entendimento é consensual». O complemento directo inclui a oração subordinada completiva «que este entendimento é consensual».

Arriscar-se, com o sentido de «atrever-se», é um verbo pronominal, em que se é um pronome pessoal que faz parte integrante do verbo, pelo que não desempenha qualquer função sintáctica. O verbo rege a preposição a, logo, «a dizer que este entendimento é consensual» é um complemento preposicionado, que inclui igualmente a oração subordinada completiva «que este entendimento é consensual».

Maria João Matos