Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Sophia de Mello Breyner Andresen
Sophia de Mello Breyner Andresen
1K

Sophia de Mello Breyner Andresen (Porto, 1919 - Lisboa, 2004) foi uma das mais importantes poetisas portuguesas. Autora de livros de poesia, escreve também contos, histórias para crianças, artigos, ensaios e teatro. Foi também tradutora. Publicou, entre muitos outros títulos, Livro Sexto (1962), Contos Exemplares (1962), A Fada Oriana (1958), O Cavaleiro da Dinamarca (1964)  e O Nome das Coisas (1977). Recebeu o Prémio Camões, o Prémio Poesia Max Jacob e o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana. A sua obra está traduzida em várias línguas.

 

 
Artigos publicados pela autora


Heraclito de Epheso diz:

«O pior de todos os males seria
A morte da palavra»

Diz o provérbio do Malinké:

«Um homem pode enganar-se em sua parte de alimento
Mas não pode
Enganar-se na sua parte de palavra»

 


Este é o amor das palavras demoradas
Moradas habitadas
Nelas mora
Em memória e demora
O nosso breve encontro com a vida.

 

A poesia não me pede propriamente uma especialização pois a sua arte é uma arte do ser. Também não é tempo ou trabalho o que a poesia me pede. Nem me pede uma ciência nem uma estética nem uma teoria. Pede-me antes a inteireza do meu ser, uma consciência mais funda do que a minha inteligência, uma fidelidade mais pura do que aquela que eu posso controlar. Pede-me uma intransigência sem lacuna. Pede-me que arranque da minha vida que se quebra, gasta, corrompe e dilui uma túnica sem costura. Ped...


Gosto de ouvir o português do Brasil
Onde as palavras recuperam sua substância total
Concretas como fruto nítidas como pássaros
Gosto de ouvir a palavra com suas sílabas todas
Sem perder sequer um quinto de vogal

Quando Helena Lanari dizia o «coqueiro»
O coqueiro ficava muito mais vegetal.