Roberto Lota - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Roberto Lota
Roberto Lota
373

Doutor em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor de Português, Literatura e Produção textual.

 
 
Textos publicados pelo autor
É possível interpretar textos somente lendo estes textos?
Para uma leitura aprofundada

«A mim, me parece muito claro que para entrarmos na leitura profunda do texto – principalmente o poético – é necessário que recorramos a estudos que destrinchem a estrutura, a fim de que consigamos enxergar os sentidos que residem no fonema, no morfema, na palavra, na frase e no parágrafo.» Assim se refere Roberto Lota à interpretação de textos literários, cuja compreensão, na opinião deste professor brasileiro, não se resume à simples leitura deles, sem apoio de alguns pré-requisitos.

Artigo publicado em 5 de fevereiro de 2021 no mural Língua e Tradição, no Facebook.

 

A subjetividade da metáfora na leitura dos textos
Um recurso bem conhecido mas dado a confusões

«A metáfora, contudo, é mais do que a substituição de um termo pelo outro. Luís Fiorin explica que esta figura de linguagem é um «procedimento discursivo de constituição de sentido» que «não é a substituição de uma palavra por outra, mas outra possibilidade, criada pelo contexto, de leitura de um termo (...).»

Artigo do investigador brasileiro Roberto Lota publicado na página de Facebook Língua e Tradição em 8 de janeiro de 2021. 

Ironia
O contraste entre a realidade e a aparência

«Na situação irônica, há um descompasso entre o que acontece e o que se espera acontecer», observa o professor universitário brasileiro Roberto Lota num apontamento dedicado a três tipos de ironia, ilustrando este recurso expressivo com um exemplo retirado de Memórias Póstumas de Brás Cubas, a conhecida obra de Machado de Assis (1839-1908).

 

.[in Língua e Tradição,13 de novembro de 2020.]