João Alferes Gonçalves - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
João Alferes Gonçalves
João Alferes Gonçalves
4K

Jornalista freelancer português.

 
Textos publicados pelo autor
Imagem de destaque do artigo
Um numeral dado a confusões

Acerca do peso financeiro da hemodiálise nos custos do setor da saúde em Angola, circulou em Portugal a notícia segundo a qual o montante atingia a incalculável cifra de 15 biliões de kwanzas. Afinal, não deixando de ser elevada, a despesa era de 15 mil milhões de kwanzas...

[Apontamento do autor publicado originalmente  na página do Clube de Jornalistas, com a data de  24 de junho de 2019.]

Imagem de destaque do artigo

O jornalista João Alferes Gonçalves dá uma ajuda como dizer o o nome (norueguês) do novo treinador do Manchester United, neste texto que se transcreve, com a devida vénia, da página digital do Clube de Jornalistas.

Imagem de destaque do artigo

 

Nos tempos que correm, em Portugal, é fácil encontrar erros nos media, mas um erro duplo é um fenómeno que justifica atenção redobrada.

 

O primeiro erro deste título do Diário de Notícias está no "parodeia", que revela um desconhecimento total da conjugação do verbo parodiar. O verbo conjuga-se como adiar. Aparentemente, quem escreveu "parodeia" deve estar convencido de que o verbo se escreve "parodear".

Imagem de destaque do artigo

 

 

O primeiro período desta chamada do Diário de Notícias mostra que o que nasce torto dificilmente se endireita.

«Setúbal foi a única capital que continua a ser» é uma formulação que desafia o tempo, própria da trilogia do Regresso ao Futuro.

Se foi, não continua a ser. E vice-versa.

A isto soma-se a falta de concordância entre voltam e CDU, agravada por uma construção confusa que permite atribuir a Setúbal a função de sujeito também nesta oração.

Imagem de destaque do artigo

A troca de acusações foi benéfica para a TVI, mas funesta para a jornalista do DN. Há um claro erro de concordância na abertura da notícia — o sujeito é a troca e, por isso, o verbo devia estar na terceira pessoa do singular («A troca de acusações teve...»).