Duda Guennes - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Duda Guennes
Duda Guennes
1K

Duda Guennes (1937 - 2011), foi um jornalista brasileiro que se radicou em Portugal, colunista de A Bola e autor do livro Meu Brasil Brasileiro.

 

 
Textos publicados pelo autor

A cultura (qualquer cultura) de um povo (qualquer povo) tem uma força de resistência extraordinária. Um termo estrangeiro para entrar no falar de uma população precisa ser de grande utilidade ou não existir no quotidiano local.

A terminologia informática mantém a origem inglesa por não haver equivalentes no linguajar indígena. Os novos desportos alienígenas, que estão sempre a aparecer, impõem as suas expressões originais, sendo depois incorporadas pelo process...

«Paguei pau» é um termo recém-entrado na gíria juvenil no Brasil para designar que a coisa é boa, custou esforço, vale a pena. É também usado no meio tecnológico, associado a máquinas: carros, fotos, computadores, vídeos, etc. Por exemplo: «Paguei pau para fazer essa foto» ou «paguei pau para ter essa moto».

Bumbum paticumbum prugurundum» + «Burucuntum» é o som onomatopaico da batida do surdo de marcação das escolas de samba do Rio de Janeiro, para dar início à apresentação. A Império Serrano foi campeã em 1992 exactamente com esse enredo.

Cacete, no sentido de «aborrecido», é bastante usado no Brasil, especialmente no Nordeste do país. Mas também pode ter a acepção de «bom». Por exemplo: «É do cacete!», «há pão cacete» [um tipo de pão].

Cacete também se usa no Brasil com o sentido de órgão genital masculino.

«Mudar de pau para cacete» é embaralhar e dar novamente.

No Brasil, cacete é ainda marcação implacável de um jogador de futebol sobre outro, além de ter o sentido de «pedaço de pau» ou «moca».

Causo é uma palavra comum do falar brasileiro de quase todas as regiões, inclusive no estado de Minas Gerais. Creio que foi Câmara Cascudo quem primeiro usou a expressão para significar um caso, estória, "istória" (invenção de Millôr Fernandes).
No meu livro Meu Brasil Brasileiro, usei como subtítulo "crónicas, causos, estórias, factos, fofocas, acontecências" (essa é de João Guimarães Rosa).