António Loja Neves - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
António Loja Neves
António Loja Neves
1K

António Loja Neves (1953-2018), jornalista português. Viveu em Cabo Verde e depois, em Lisboa, estudou Realização na Escola Superior de Teatro e Cinema, tendo dirigido o filme "O Silêncio", em parceria com José Alves Pereira.. Foi um dos fundadores da Federação Portuguesa de Cineclubes e da Apordoc, Associação pelo Documentário. Foi jornalista, no semanário Expresso, e integrou a equipa dirigente da Associação Portuguesa de Realizadores. Autor dos livros Barcos, íntimas marcas (Prémio Revelação de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores em 2001) e Arménia: Povo e Identidade (em coautoria com Margarida Neves Pereira, ed. Tinta-da-China, 2018). Mais aqui e aqui.

 
Textos publicados pelo autor
Imagem de destaque do artigo

Notícia do semanário Expresso de 1/12/2016 sobre as propostas anunciadas pela Academia das Ciências de Lisboa de alteração de algumas novas mais controversa estipuladas no texto-base do Acordo Ortográfico de 1990, em vigor em Portugal desde  – nomeadamente quanto às consoantes mudas. Título original: "Academia das Ciências de Lisboa quer fazer alterações ao Acordo Ortográfico  na ótica (o na óptica?) de um novo Dicionário".

Imagem de destaque do artigo

As novas tecnologias são um caminho eficaz e rápido para tirar dúvidas

O desenvolvimento é imparável e o progresso reconhecido, e de nada serve aos conservadores perorarem sobre as virtudes do papel: as novas tecnologias aperfeiçoaram ferramentas que facilitam tanto a vida que seria estultícia imaginar, hoje, um mundo sem esses bens adquiridos, muito menos com seres humanos que os não utilizassem no dia-a-dia.