Alexandre António Timbane - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Alexandre António Timbane
Alexandre António Timbane
689

Pós-Doutor em Linguística Forense pela Universidade Federal de Santa Catarina (2014), Pós-Doutor em Estudos Ortográficos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2015), Doutor em Linguística e Língua Portuguesa (2013) pela UNESP-Brasil, Mestre em Linguística e Literatura moçambicana (2009) pela Universidade Eduardo Mondlane-Moçambique. É professor Permanente da Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), Instituto de Humanidades e Letras, Campus dos Malês, Bahia. Tem experiência no ensino e na pesquisa na área de Sociolinguística e Dialetologia com enfoque na variação e mudança lexical do Português (Estudos do Léxico), Contato linguístico e Línguas Bantu. Membro do Grupo de Pesquisa África-Brasil: produção de conhecimento, sociedade civil, desenvolvimento e Cidadania Global. Editor-chefe da Njinga & Sepé: Revista Internacional de Culturas, Línguas Africanas e Brasileiras.

 
Textos publicados pelo autor
Português de Angola
Fonologia, Sintaxe e Lexicografia
Por Márcio Undolo, Alexandre António Timbane, Gaudêncio Kimuenhe

No plano da chamada lusofonia e do português como denominador comum linguístico, Angola tem-se distinguido em duas vertentes, pelo menos: na política, porque tem oferecido bastante resistência, explícita ou tácita, a medidas de coordenação linguística entre os países de língua portuguesa; e, no plano demográfico, apresenta números significativos quanto à propagação e ao enraizamento do português como idioma materno. Neste contexto, a obra Português de Angola: Fonologia, Sintaxe e lexicografia, uma edição eletrónica feita através da Home Editora, parece como um trabalho que revela a personalidade do português de Angola (PA), sem negar a unidade fundamental do idioma.

Como se lê na apresentação, trata-se de um conjunto de estudos resultantes das atividades de investigação do Projeto VAPA (Variedade do Português de Angola), o qual foi criado em 2015 na Escola Superior Pedagógica de Bengo em Angola. Para os coordenadores da obra, Márcio Undolo, Alexandre Timbane e Guadêncio Kimuenho