Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Afonso Lopes Vieira
Afonso Lopes Vieira
970

Afonso Lopes Vieira (1878-1946) nasceu em Leiria. Formou-se em Direito na Universidade de Coimbra. Esteve ligado à Renascença Portuguesa, sendo um dos principais representantes do Neogarrettismo. Algumas das Obras publicadas: Para quê? (1897), O Meu Adeus (1900), O Encoberto (1905), Canções do Vento e do Sol (1911), Arte Portuguesa (1916), Ilhas de Bruma (1917), Onde a Terra Acaba e o Mar Começa (1940), etc.

 
Artigos publicados pelo autor


Cantei nos Cantares de Amigo,
cantando, a Pátria nasceu;
Portugal floriu comigo
quando a poesia cresceu.

Ai flores, ai flores dos Cancioneiros,
oh graça e sorriso dos poemas primeiros!

Ondas do mar me embalaram,
tanto andei a navegar,
que nos meus ritmos ficaram
íris e longes do mar. <...


Ó Portuguesa Língua, quando um dia
Floresceste nos rústicos cantares,
Quem te diria que, por sobre os mares,
Com tua alma o teu génio cresceria!

Soou na Terra a tua melodia
E pelo orbe criou nações e lares;
Com teu ritmo de impulsos e vagares
Foste laço de povos e harmonia.

Mas, ó Língua sagrada e Mãe gentil,
Tua glória maior de peregrina
E missionária donde génio flui,

Tu a criaste em terra do Brasil,
Depois que o padre António Vieira ensina
O seu aluno mais preclaro — Rui!