Ciberdúvidas poderá encerrar se ficar sem apoios até setembro - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ciberdúvidas poderá encerrar
se ficar sem apoios até setembro
Por Ana Goulão 2K

Lisboa, 10 julho (Lusa) – O Ciberdúvidas, portal online dedicado à língua portuguesa, poderá encerrar até setembro se continuar sem os [indispensáveis] apoios financeiros [que suportem os seus custos], alertou [na terça-feira, 10/07/2012], em Lisboa, o responsável pelo projeto, José Mário Costa.

O responsável falava à agência Lusa à margem de uma audição na Comissão de Educação, Ciência e Cultura, que decorreu durante a tarde [de terça-feira, 10/07/2012], na Assembleia da República, onde José Mário Costa fez uma exposição das dificuldades atuais do portal.

«Tentei contactar vários possíveis mecenas, desde entidades públicas e privadas, mas todas as respostas foram negativas», indicou à Lusa o responsável pelo portal na Internet, criado há 15 anos.

José Mário Costa foi ouvido na comissão parlamentar por iniciativa do presidente da entidade, José Ribeiro e Castro, na sequência de notícias do possível encerramento da atividade do portal, por falta de apoio financeiro.

O jornalista – um dos fundadores do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, em conjunto com o já falecido jornalista João Carreira Bom – disse aos deputados que o portal recebe 2,5 milhões de visitas por mês, provenientes de todo o universo lusófono e de falantes ou estudantes da língua portuguesa espalhados pelo mundo, «desde a China à Austrália».

Perante os deputados dos vários grupos parlamentares, foi feita uma exposição da situação do projeto, referindo que tem recebido o apoio da Fundação Vodafone, dos CTT, do Ministério da Educação, através de dois professores de português, e funciona em instalações cedidas pela Universidade Lusófona.

Em outubro, altura em que os CTT terminaram o apoio financeiro, «o Ciberdúvidas [entrou em dificuldades crescentes para suportar os custos do seu funcionamento diário] viu-se obrigado a parar parte da sua atividade, nomeadamente o consultório, que respondia habitualmente a uma centena de questões diárias», indicou.

«Sendo o Ciberdúvidas uma associação sem fins lucrativos que faz serviço público, não seria possível assinar um protocolo com o Estado português ou com uma entidade governamental [que garanta a sua viabilização]?», foi a proposta apresentada pelos responsáveis pelo portal.

Nas contas dos responsáveis pelo projeto, [para suprirem o  que deixou de ser assegurado pelos CTT,] o portal precisa apenas do «valor irrisório de 2000 euros mensais para continuar», indicaram.

Todos os grupos parlamentares reconheceram a importância do projeto e fizeram algumas perguntas sobre a sua atividade e funcionamento, e o presidente da comissão parlamentar disse também que iria fazer «todas as diligências» ao seu alcance para que o Ciberdúvidas, «pela sua prestação de serviço público, continue».

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda tinha enviado na sexta-feira passada uma pergunta formal ao secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, sobre as ações concretas que a tutela da Cultura irá promover, para garantir a continuação da atividade do Ciberdúvidas.
Contactado pela Lusa sobre o Ciberdúvidas, o gabinete de comunicação do secretário de Estado disse não ter comentários a fazer sobre esta situação.

Fonte

Notícia distribuída pela agência Lusa, com data de 10 de julho de 2012.

Sobre a autora

Jornalista da Lusa.