Acordo Ortográfico: Ministro da Cultura prevê que transição se fará em seis anos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Acordo Ortográfico: Ministro da Cultura prevê que transição se fará em seis anos
900

O ministro da Cultura, José António Pinto Ribeiro, afirmou hoje que o Acordo Ortográfico deverá estar adoptado em pleno dentro de seis anos.

O ministro falava na comissão parlamentar de Ética, Sociedade e Cultura, tendo assinalado que o que está em debate é «apenas a entrada em vigor, já que o acordo foi ratificado pelo Parlamento em Junho de 1991 e publicado no mesmo ano o respectivo decreto ratificativo».

O ministro minimizou os impactos que o novo acordo terá e prevê «um período no máximo de seis anos para assegurar uma transição integral».

Sem precisar os termos, o Pinto Ribeiro adiantou que será elaborado um estudo sobre o valor da Língua, tendo nesse sentido sido contactado o linguista Enrique Iglésias.

O ministro informou os deputados de que o seu ministério estuda parcerias com outros ministérios, nomeadamente o dos Negócios Estrangeiros, «relativamente à internacionalização da Língua Portuguesa».

O Governo tem previsto — anunciou — a criação de um fundo para a Língua Portuguesa de apoio aos países em vias de desenvolvimento.

Outra parceria anunciada foi com o Ministério da Educação, para a criação de «uma rede de escolas de Língua Portuguesa, até no âmbito da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) cuja presidência Portugal assumirá em breve».

Referiu, a este propósito, sem entrar em pormenores, que «se irá reequacionar o papel do Instituto Camões».

Pinto Ribeiro não considerou relevante uma proposta da deputada Teresa Caeiro, do CDS/PP, para se criar uma comissão de acompanhamento de implementação do acordo.

«Tenho estima e confiança nos professores, não é necessário uma entidade reguladora», justificou o governante.

Fonte

*In Agência Lusa, 14 de Maio de 2008.