Um «meia culpa» que bem reclama um mea culpa… - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Um «meia culpa» que bem reclama um mea culpa…
Um «meia culpa» que bem reclama um mea culpa

Há uns anos, numa Volta a Portugal em Bicicleta, um jornalista, entrevistando o camisola amarela, depois de uma etapa desportivamente pouco feliz, perguntou-lhe algo do tipo: «Então está disposto a fazer o seu “mea culpa” relativamente ao que hoje correu mal?», obtendo como resposta: «Meia culpa, não, culpa toda, porque sou o principal responsável […]».

Voltei a ouvir o mesmo, mas agora na TVI Informação, ao fazer-se a revista da imprensa diária e aludindo-se  ao título da notícia que ocupa quase toda a primeira página do Público (18 de setembro de 2013) e que refere: «FMI faz mea culpa em relação a Portugal».

Ora, mea culpa* é uma locução latina que significa «minha culpa» ou «por minha culpa» e não, obviamente, «meia culpa». A expressão provém da Confissão, oração que integra a liturgia da Igreja Católica, através da qual os crentes reconhecem os seus pecados perante Deus e a Igreja, e pedem à Virgem Maria, aos anjos e santos, e aos irmãos de fé, a intercessão divina para o perdão dos mesmos. Está presente nos ritos iniciais da Missa, no chamado ato penitencial, exame de consciência, ato de reconhecimento de culpas, de purificação interior e de preparação para a celebração, e nas orações pessoais dos fiéis. É normalmente acompanhada por um gesto que consiste em bater com a mão direita no peito e das palavras «por minha culpa, minha tão grande culpa» («mea culpa, mea maxima culpa»).

Não seria mau, pois, que, a este propósito, quem cometeu esse erro também fizesse o respetivo ato penitencial, o seu próprio «mea culpa»…

*Registe-se, a propósito, a existência, um pouco bizarra, do substantivo mea-culpa, atestado, designadamente, pela maioria dos vocabulários ortográficos atualizados – Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras, Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Porto Editora e Vocabulário Ortográfico do Português do ILTEC. Apesar da existência deste aportuguesamento, no título, optou-se pela locução substantivada em itálico, sem hífen, tal como se faz com outras expressões latinas também substantivadas (p.ex., nec plus ultra; cf. Dicionário Houaiss). Acrescente-se ainda que, ao contrário dos demais vocabulários ortográficos, o Vocabulário Ortográfico Atualizado da Língua Portuguesa da Academia das Ciências de Lisboa, publicado em 2012, consigna como locução latina a forma mea culpa, em itálico e sem hífen.

Sobre o autor

Paulo J. S. Barata é consultor do Ciberdúvidas. Licenciado em História, mestre em Estudos Portugueses Interdisciplinares; curso de especialização em Ciências Documentais (opção Biblioteca e Documentação) e curso de especialização em Ciências Documentais (opção Arquivo).