Flash interview - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Flash interview

flash interview não é para qualquer um. É uma espécie de momento Andy Wharol — os seus famosos minutos de fama — que implica o frenético jornalista e uma de duas personagens: o jogador de futebol, afogueado de tanto pensar com os pés, ou o deputado e afins, cuja voz enrouqueceu dependurada na retórica e no nó da gravata. Faz-se no verde dos relvados, antes do banho, ou nos Passos Perdidos, ou à esquina de uma rua, à saída de um templo da República, ou com o ilustre entrevistado já na pose inclinada de quem se apressa para entrar no carro oficial.

Qual o equivalente em português para a flash interview? A flash interview, claro. Só assim é que ela tem piada. Entrevista-relâmpago? Que sensaboria!... Todos sabemos que em inglês tudo é mais veloz e os sound bytes são invenção sua. O que até dava trocadilho, em inglês, claro. O sound bite, o som que morde, não existe entre nós. Aqui insinua-se, sugere-se, pica-se, intriga-se. E uma picardia ou um balanço oracular, velocíssimo e tantas vezes inócuo, melhor é que continue a se exprimir em flash interview. Porque nos podemos distanciar, de «mãos pensas», como diria o poeta.

Sobre o autor

Luís Carlos Patraquim (Maputo, 1953), jornalista, poeta, escritor e roteirista moçambicano, com diversificada obra publicada. Por exemplo, Monção (Edições 70 e Instituto Nacional do Livro e do Disco de Moçambique, 1980), A Inadiável Viagem (ed. Associação dos Escritores Moçambicanos, 1985), Mariscando Luas (Editora Vega, 1992), Lidemburgo Blues (Editorial Caminho, 1997), O Osso Côncavo e Outros Poemas (Lisboa, Editorial Caminho, 2005), Pneuma (Editorial Caminho, 2009) e A Canção de Zefanías Sforza (Porto Editora, 2010).