E que tal fazermos as exéquias aos «dignatários»? - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
E que tal fazermos as exéquias aos «dignatários»?

«As exéquias fúnebres […] levaram a que alguns, sem noção do ridículo, tivessem invocado o facto de Portugal ser um estado laico, questionando desta forma a participação de dignatários do Estado nas celebrações religiosas […]».

«E pluribus unum», Rui Tabarra e Castro, Opinião, OJE, 10 de janeiro de 2014, p. 8.

Deixando de lado as "exéquias fúnebres, pleonasmo vicioso já aqui abordado, assinala-se o "dignatário", que, apesar de andar por aí em uso e até devidamente consagrado em vocabulários e dicionários (Aulete e VOLP), é uma corruptela de dignitário, pessoa que exerce um alto cargo, que tem um título honorífico ou foi investida de uma dignidade. É palavra proveniente do francês dignitaire, por via do latim dignitas, e não do verbo dignar.

Sobre o autor

Paulo J. S. Barata é consultor do Ciberdúvidas. Licenciado em História, mestre em Estudos Portugueses Interdisciplinares; curso de especialização em Ciências Documentais (opção Biblioteca e Documentação) e curso de especialização em Ciências Documentais (opção Arquivo).