Escolhem-se nomes cada vez mais exóticos em Portugal - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Escolhem-se nomes cada vez mais exóticos em Portugal
Escolhem-se nomes cada vez mais exóticos em Portugal
... enquantro outros, não menos invulgares, há muito que deixaram de se usar

 

«Na lista dos nomes aprovados pelas conservatórias portuguesas. em 2016 – segundo este trabalho publicado no Jornal de Notícias de 1 de janeiro de 2017 –  constam Hillary, Barack, Melania, Adele. São cada vez mais os pais a optarem por nomes que exigem aprovação superior, ou seja, que requerem aval do presidente do Conselho Diretivo do Instituto de Registos e Notariado (IRN).» E outros, não menos invulgares vão-se perdendo na memória dos tempos.

 

 

Nos primeiros nove meses de 2016, foram solicitados ao Instituto de Registos e Notariado (IRN) 794 nomes fora do comum. Tudo indica que os pedidos sejam superiores aos do ano passado, um total de 1122. Em 2014, tinham sido 976. Em pouco mais de dois anos e meio, somam-se 2892 pedidos extravagantes.

Passando os olhos pela última lista disponível (2015), podem encontrar-se registo de nomes como Liv, Pia, Or, Arline, Tesla, Penka, Melania, Brooklyn, Excel, Shakira, Ryhanna. Na tabela das aprovações de nomes masculinos sobressaem, entre outros, Hur, Summer, Iker, Bruce, Justice, Umar, Efraim, Zidane, Dylan.

Estas terão sido as solicitações remetidos por estrangeiros residentes em Portugal, uma vez que esse é o pressuposto para poder obter nomes não portugueses, explica o Ministério da Justiça. «São admitidos os nomes próprios estrangeiros sob a forma original se o registado for estrangeiro, houver nascido no estrangeiro ou tiver outra nacionalidade além da portuguesa». Para os portugueses, «os nomes próprios devem ser portugueses, de entre os constantes da onomástica nacional ou adaptados, gráfica e foneticamente, à língua portuguesa, não devendo suscitar dúvidas sobre o sexo do registando».

A tabela, porém, é partilhada: os nomes que parecem estrangeiros misturam-se com os de língua portuguesa e também aqui a criatividade se revela fértil. Vejamos: o documento dá conta de bebés chamadas Rosamar, Mariamar, Águeda, Afonsa, Sibila, Deusa, Felicidade – todos submetidos e aprovados durante o ano de 2015.

No painel masculino, saltam à vista Tristão, Joseberto, Nemésio, Amândio, Messias, Príncipe e Ronaldo.

Maria e João na liderança

Exotismos e modismos à parte, os portugueses têm preferências mais clássicas. Para menina, os nomes preferidos, e por esta ordem, foram Maria, Leonor, Matilde, Beatriz e Carolina. Já nos rapazes, as opções têm recaído em João, Martim, Rodrigo, Santiago e Francisco.

No caso das raparigas, o consenso à volta dos nomes até é maior, dado que Maria foi o nome escolhido pelos pais para 5324 bebés, enquanto o nome mais popular para os rapazes – João –foi atribuído por 1932 vezes.

26 Muhammads

No ano de 2015, 26 crianças foram chamadas Muhammad em Portugal.

672 Josés

O nome José parece ter voltado a estar na moda. Foram registados 672 rapazes com esta identificação.

Luatis e Inocêncios

Entre os nomes aprovados uma vez em 2016 figuram Luati, Belmiro, Inocêncio, Beto.

22 Carlas

Os nomes Carla, Cristina e Susana estão a perder popularidade. No último ano, foram escolhidos apenas 22 vezes cada um. Paula é outro dos que perderam favoritismo, só foi escolhido 20 vezes.

Franciscas e Madalenas

Em voga parecem estar os nomes Francisca e Madalena, escolhidos 755 e 539 vezes em 2015.

Pias, Xilas e Leyas

Entre os nomes mais estranhos aprovados uma única vez em 2015 estão [os nomes] Leya, Xila e Pia. Joaninha, Rubi, Elisete são outros exemplos.

Luz e Divas

Da lista de 2015 constam ainda uma Luz e cinco Divas.

 

N.E. – Em contrapartida, outros nomes menos não menos invulgares se foram perdendo no tempo, como se assinala neste registo genealógico da responsabilidade de António Correia de Pinho, autor da obra  Variantes Cariocas da Língua Portuguesa e, em parceria, do Dicionário do petróleo em língua portuguesa. Por exemplo: Águeda, Anselma, Arcangela, Asdrúbal, Astregildo, Atanásio, Baldomero, Bazeliza, Benvenuto, Borazia, Brázia, Brigida, Briolanja, Canuta, Cardénia, Chrispina, Chrispinianno, Ciríaco, Cristeta, Crisogono, Cumegundes, Damiana, Elautéria, Emidia, Estanislao, Elisbão, Febronia, Gelázio, Hermogina, Himiterio, Ignácia Iria, Josefa, José Gramática, Jovita, Ladislão, Marçalina, Marteniano, Melitão, Naptaria, Optato, Palalião, Paraxedes, Pelonia, Porcato, Pudenciana, Prazeres, Próspera, Quitéria, Rimitivo, Sucapso, Semião, Simplícia, Tomásia, Toríbio, Ursinio, Viridiana.

Fonte

in Jornal de Notícias de 1 de janeiro de 2017.

Sobre a autora