Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Literatura
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo

Extrato do romance Homem de leis perdido nos trópicos procura senhora honesta, onde o autor discorre sobre essa «praga nacional multiusos», que serve tanto para enternecer como para amesquinhar. Manteve-se a grafia original, anterior ao Acordo Ortográfico de 1990.

Imagem de destaque do artigo

O significado da palavra aniversário glosado neste poema transcrito do próprio blogue do autor, o  pesquisador, compositor, poeta e escritor brasileiro Carlos Eduardo Drummond.

 

Imagem de destaque do artigo


Crónica ao melhor estilo do recém-falecido autor de
Viva o Povo Brasileiro à volta destes tempos da internet e das redes sociais, em que o leitor já não se chama leitor e os romances e peças de teatro «virão com clipes dos cenários descritos pela narrativa, entrevistas com o autor, facilidade em substituir palavras difíceis por sinônimos acessíveis, interatividade com o usuário (“faça seu final, case Romeu com Julieta").»  

 


Até que a escrita trema
e então do fundo da memória um corpo e o mar
um cheiro de alfazema e de salgema
um acento circunflexo um til um trema
um nome que noutro nome se dizia
um erro no ditado umas letras redondas
uma rosa por dentro da caligrafia
a praia um rosto as ondas.

 

Foz do Arelho, agosto de 2003


Todo mundo aceita que ao homem

cabe pontuar a própria vida:

que viva em ponto de exclamação

(dizem: tem alma dionisíaca);


viva em ponto de interrogação

(foi filosofia, ora é poesia);

viva equilibrando-se entre vírgulas

e sem pontuação (na política):


o homem só não aceita do homem

que use a só pontuação fatal:

que use, na frase que ele vive

o inevitável ponto final.


Um excerto retirado de Arte de Ser Português, do poeta e filósofo do Saudosismo Teixeira do Pascoaes, sobre as particularidades criadoras do génio da língua portuguesa.

Um poema retirado de A Matéria do Poema, do poeta português Nuno Júdice, num tom informal e leve, sobre a importância do verbo (principal e auxiliar) e da voz (ativa e passiva) no discurso e o valor expressivo dos modos e dos tempos das diferentes conjugações.

 

 

Principal ou auxiliar, é o verbo que faz mover

o discurso, dando à existência a sua qualidade

activa, e transformando-a no ser idêntico

que reúne em cada sujeito e estado, sem

distinguir uma ideia de outra. Porém, a

Um poema retirado de A Matéria do Poema, do poeta português Nuno Júdice, num tom informal e leve, sobre a importância da presença dos adjetivos em qualquer discurso/texto. Aqui se evidencia a especificidade do valor expressivo de cada tipo de adjetivo (explicativo, restritivo, superlativo, aumentativo).

 

Manteve-se a grafia original do texto publicado em Língua Vernácula, de José de Sá Nunes, ed. Livraria da Globo, 1937, pp. 374-376, Porto Alegre.

 

Não creio que as classificações acrescentem o que quer que seja à fruição de uma obra de arte, seja ela literária ou de outra qualquer natureza; mas também não penso que a prejudiquem. Por isso, ao terminar a leitura de Memorial do Convento, ainda sob o império da fascinação que ela me provocou, surpreendi-me a interrogar: que livro é este? Que escreveu, que quis José Saramago escrever? Um romance histórico? Um romance realista? Uma alegoria? Uma paráb...