42 belíssimas palavras que deixaram de ser utilizadas - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
42 belíssimas palavras que deixaram de ser utilizadas
42 belíssimas palavras que deixaram de ser utilizadas
Palavras que caíram no esquecimento.

 

A Língua Portuguesa está em constante evolução: nascem palavras novas e outras desaparecem. Confira algumas das que estão a desaparecer.

 

A língua portuguesa está em constante evolução e não é apenas por causa do novo acordo ortográfico que isso acontece. A evolução tecnológica ajuda a criar novas palavras e a fazer desaparecer outras. E além disso, a evolução social faz cair em desuso expressões ou palavras que se utilizavam antigamente e que agora deixaram de fazer sentido. A evolução da Língua Portuguesa é uma coisa positiva e até necessária. Regularmente, são criados novos conceitos de forma a definir novas tendências ou novos objetos, como por exemplo «televisão» ou «computador».

Algumas palavras caem em desuso e outras novas surgem. Experimente perguntar à sua avó se ela sabe o que quer dizer «coworking», «clonagem», «drone» ou «smartphone» e talvez constate que ela desconhece algumas delas. Mas se ela lhe falar em palavras como «anóveas», «brunir» ou «coitar», então será você que irá sentir-se surpreendido.

Mesmo que algumas palavras deixem de ser utilizadas regularmente, é muito importante que elas não caiam no esquecimento. Afinal de contas, fazem parte do nosso idioma, da nossa história e da nossa cultura. Por isso mesmo, perder estas palavras seria o equivalente a perder um pouco de nós mesmos. Estas é uma lista de palavras, muito usadas pelos nossos antepassados, mas que caíram no esquecimento. Quantas conhece? 

Absolto: sinónimo de absolvido.

Acartado: indicava um profissional diplomado. 

Aguça: sinónimo de pressa.

Anóveas: indicava um valor nove vezes superior.

Asinha: sinónimo de depressa.

Assento: sinónimo de habitação.

Assunar: sinónimo de amotinar.

Botica: sinónimo de farmácia.

Brunir: Passar ou dar ao ferro.

Cagalhota: Mulher de baixa estatura e pescoço curto.

Carisma: sinónimo de epilepsia.

Coitar: sinónimo de machucar.

Comprir: sinónimo de cumprir.

Dada: sinónimo de doação.

Depós: sinónimo de após.

Embora: sinónimo de em boa hora.[1]

Escala: sinónimo de escada.

Franquia: sinónimo de sinceridade.

Garçom: sinónimo de jovem.

Graveza: sinónimo de gravidade.

Jondra: Sostra. Rapariga pouco limpa e asseada.

Jorna: Dia de trabalho, “trabalhar à jorna”.

Ladroa: sinónimo de ladra.

Lambisgoia: Pessoa intrometida quem se intromete em assuntos que não lhe dizem respeito ou vive a fazer mexericos.

Lanfranhudo: Carrancudo, homem feio e mal humorado.

Malota: Corcunda

Patego: parolo, lorpa.

Pera: sinónimo de para.

Pertinência: sinónimo de pertença.

Polo: sinónimo de pelo.

Remelado: Com sintomas de conjuntivite bacteriana ou disfunção lacrimal.

Safanão: é o ato de puxar o braço de uma pessoa para dar um raspanete.

Seba: Porca gorda.

Sendo: indicava uma herdade cultivada.

Sirigaita: Sirigaita é uma das piores ofensas que uma moça do século passado poderia ouvir. Ao chamar uma mulher de sirigaita, uma pessoa queria dizer que ela era mal-educada e tinha atitudes constrangedoras.

Sisa: indicava um tributo pago ao estado.

Soer: sinónimo de costumar.

Soldo: indicava uma obrigação no arrendamento de terra.

Suso: sinónimo de acima.

Tença: sinónimo de posse.

Trepa: Coça, tareia, treino.

Vosmecê: sinónimo de você.

 

[1 N. E. – A menção ao advérbio embora é estranha, porque é palavra bem viva. Talvez o que se queira referir sejam usos semanticamente arcaicos, em que embora é lietralmente «em boa hora», como ocorre nos textos vicentinos.]

Fonte

Texto em linha no portal Vortex Magazine, com a data de 22 de janeiro de 2019.