Como ajudar um filho a estudar Português? - Ensino - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Início Português na 1.ª pessoa Ensino Artigo
Como ajudar um filho a estudar Português?
Como ajudar um filho a estudar Português?
Orientações para atividades de acompanhamento

A missão de um professor de Português é cada vez mais difícil, na medida em que as dificuldades têm vindo a agravar-se e o número de alunos por turma dificulta o ensino individualizado.

Assim, são, muitas vezes, os pais que procuram ajudar os filhos a ultrapassar dificuldades residuais, embora tenham pouco tempo para o fazer devido às exigências profissionais dos dias de hoje.

Então, como poderão ajudar os filhos, sendo as matérias tão diferentes daquelas que aprenderam?

Em primeiro lugar, é preciso tomar consciência de que, ao nível da Língua Portuguesa, tudo passa pela leitura. De facto, a leitura é o melhor exercício para desenvolver a compreensão e a expressão, pois consolida e esclarece estruturas linguísticas, enriquecendo o vocabulário e desenvolvendo as diferentes competências. Deste modo, é fundamental que os pais sensibilizem os filhos para a sua importância.

Todos sabemos que esse hábito é cada vez menor devido à existência de outros entretenimentos que desviam os jovens dos livros. O que fazer quando um filho nos diz que não gosta de ler? Talvez fazer "programas" que passem por uma ida à biblioteca ou a uma livraria. Aí, o jovem poderá escolher os livros, apreciar as capas, ler algumas páginas e, quem sabe, isso lhe desperte o gosto pela leitura.

Quanto aos mais novos, essa tarefa é mais simples e começa quando o pai ou a mãe criam o hábito de ler uma história em voz alta ao filho. Além disso, quando a criança vê os pais a ler habitualmente, terá a tendência para os imitar.

Porém, há crianças e jovens que têm dificuldades gráficas que impedem a compreensão e a expressão escritas, nomeadamente, a pontuação, a acentuação, a ortografia. Quanto mais cedo se trabalharem estas competências, mais fácil será para o aluno as dominar. Então, sugerimos uma exercitação sistemática a esse nível. Existem alguns livros no mercado com exercícios desse tipo e com soluções que serão, certamente, uma boa forma de os pais acompanharem o estudo dos filhos. Na verdade, são as dificuldades mais primárias que podem causar mais transtornos, retirando até o prazer da leitura.

Se as dificuldades forem de índole gramatical (pronominalização, concordância do sujeito com o predicado, tempos verbais), aconselhamos igualmente a realização de exercícios de forma sistemática, de modo a facilitar a interiorização das regras inerentes à correção linguística.

Quando o jovem tem dificuldades em elaborar textos coesos, coerentes e com lógica discursiva, é muito importante que faça uma planificação inicial dos mesmos. Essa esquematização ajudá-lo-á a organizar as ideias e a expô-las corretamente.

Dominar a língua portuguesa é um dos fatores de sucesso na aprendizagem, uma vez que se trata de uma disciplina transversal. Por isso, há que investir nessa área, utilizando todos os recursos referidos.

Pais e professores poderão aliar-se nessa missão, contribuindo, em sintonia, para melhores alunos e uma melhor escola pública.

Fonte

Texto da professora Lúcia Vaz Pedro.

Sobre a autora

Professora de Português e Francês no ensino secundário, na Escola Secundária Inês de Castro (Vila Nova de Gaia). Licenciada em 1992 pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, tem mais de trinta livros (escolares, romances e infantis) publicados, entre os quais se contam Português atual, Manual do Bom Português Atual, Língua Portuguesa e Matemática e Camões Conseguiu Escrever Muito para Quem Só Tinha Um Olho, bem como edições escolares do Auto da Barca do Inferno e de Os Lusíadas. Formadora na área de Língua Portuguesa, em centros de formação para professores, em colégios privados, na Universidade Católica, na  Sonae, no Jornal de Notícias, no Porto Canal; a convite do Instituto Politécnico de Macau, em 2014, deu também formação a professores universitários chineses. Desde 2012, mantém uma crónica semanal no Jornal de Notícias, intitulada "Português Atual". Foi responsável por uma rubrica diária sobre língua portuguesa no Porto Canal. Elaborou um contributo para o grupo de trabalho parlamentar para avaliação do impacto da aplicação do Acordo Ortográfico de 1990. Em 2018, foi-lhe atribuída a medalha de mérito cultural pela Câmara Municipal de Gaia.