Gramática ainda não tem sexo - Controvérsias - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Controvérsias Artigo
Gramática ainda não tem sexo
Gramática ainda não tem sexo

Crónica do autor publicada no semanário Expresso de 16/04/2016, a propósito da iniciativa do Bloco de Esquerda para a mudança da denominação do cartão do cidadão, por considerá-la «linguagem sexista».

[Sobre esta mesma querela, cf. "O sexo das palavras e "Dobrar a língua"]

 

 

O Bloco de Esquerda quer mudar o nome do cartão de cidadão para cartão de cidadania por considerar que o nome atual do documento «não respeita a identidade de género de mais de metade da população portuguesa». Fiquei de boca (ou de boco, tendo em conta a minha identidade de género, ou o meu identidade de género) aberta (ou aberto). Quando será que perceberão que, ao contrário do que Dilma pretende, o combate à desigualdade não se faz destruindo a gramática? Ou seja, que Dilma não é presidenta, como nunca foi estudanta, nem nunca ficou contenta? Aliás, do mesmo modo que, por muita coragem (raios, muito coragem) que eu tenha, nunca terei o ousadio suficiente para voar como os águios! Aliás, tenho engordado, mas ainda não pareço um baleio.

Mas nesta o Bloco (ou a Bloca) não me apanha! Cidadania, caros e caras, é uma palavra feminina. Não há cidadanio! Arranjem outro nome que respeite a identidade de género.

Um pouco mais a sério, uma das maneiras de destruir uma causa importante é torná-la ridícula. Ora, certas pessoas têm esse condão. Se a igualdade entre géneros (eu prefiro a palavra sexos) é uma marca civilizacional indiscutível (no sentido de haver direitos iguais, salários iguais, regalias iguais), a ideia de que essa igualdade passa por estas nuances gramaticais pode ser mortal. É tão ridículo como pretender que, em nome da igualdade dos povos (outro conceito importante), nascêssemos todos com a mesma cara e a mesma altura.

Miguel Esteves Cardoso escreveu há tempos que dizer, como se diz agora, «portuguesas e portugueses não é apenas um erro e um pleonasmo: é uma estupidez, uma piroseira e uma redundância que fede a um machismo ignorante e desconfortavelmente satisfeitinho. Somos todos portugueses e basta!». Concordo inteiramente. Há, na gramática portuguesa (que não tem neutro, como o alemão ou o inglês), substantivos uniformes. Uma criança não é uma menina, uma testemunha não é uma mulher, e uma estupidez pode ser feita por um homem.

Cf. Governo substitui “direitos do Homem” por “direitos humanos”

A linguagem inclusiva, esse "perigo público" + La gramática no tiene sexo, no es incluyente ni excluyente

Fonte

In semanário Expresso de 16 de abril de 2016.

Sobre o autor

Jornalista português. É Diretor Editorial para as Novas Plataformas do grupo Impresa Publishing e administrador da empresa que detém os títulos Expresso, Visão, Caras, Blitz, Exame e Activa, entre outros. Publica uma crónica semanal no Expresso, e colabora regularmente na SIC Notícias e na Rádio Renascença como comentador político.