A propósito do «Dia das Bruxas», sim ou não? - Controvérsias - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Controvérsias Artigo
A propósito do «Dia das Bruxas», sim ou não?
A propósito do «Dia das Bruxas», sim ou não?

Esta foto, publicada nas redes sociais, fez incendiar as hostes dos prós e dos contras, tão ativas de resto neste espaço de guerra quotidianamente acesa por motivos díspares: por um lado, os “tradicionalistas” que defendem até à última letra do teclado as festas originais do seu burgo; por outro, os “modernistas”, abertos a tudo o que é festa e tradições exteriores.

E lá vamos nós com o Carmo e a Trindade a caírem abruptamente por todos os lados e a assistirmos a mais uma batalha terrível entre tropas extremadas.

As ditas educadoras da foto foram zurzidas com insinuações de beatice, de falta de brio profissional,  entre outros mimos. Defendeu-se com unhas e dentes que a festarola não é uma americanice, não senhor, e vieram a lume argumentos de peso cultural, que afinal é uma tradição celta de comemoração do fim do verão e que de celtas temos muitas costelas. Por isso, há que festejar.

Do lado oposto, que isto é tudo marketing, que não há quaisquer raízes a sustentar estas abóboras, estes chapéus pontiagudos e esta panóplia de maquilhagens artísticas, que o que é genuíno e nosso é o «pão por Deus», que nos transporta vertiginosamente para as aldeias da nossa bendita infância, povoada de gorduchas avós e doces filhós.

Por mim, desde que não se use o termo Halloween, porque estamos em Portugal, não tenho nada contra esta miscelânea de culturas que entrelaçam o sagrado e o profano de maneira lúdica e oferecem mais uma data de diversão e, quiçá, alienação. Que isto «a vida são dois dias e o Carnaval são três»!

 

Cf.  O nosso Halloween + Sabia que o Halloween nasceu na Europa há 2000 anos?Halloween: Uma "jovem" tradição comemorada na noite portuguesa + Por que as pessoas celebram Halloween no Brasil?  + O que não te contaram sobre o HalloweenEsta coisa que nem nome português tem!

Sobre a autora

Professora portuguesa, licenciada em Filologia Românica, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, com tese de mestrado sobre Eugénio de Andrade, na Universidade de Toulouse; classificadora das provas de exame nacional de Português, no Ensino Secundário.