«O Acordo Ortográfico tem uma dimensão estratégica» - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
«O Acordo Ortográfico tem uma dimensão estratégica»
«O Acordo Ortográfico
tem uma dimensão estratégica»

texto descritivo da imagem

Declarações do embaixador de Portugal em Brasília, Francisco Seixas da Costa, em entrevista ao jornal Público e à Rádio Renascença, emitida também na RTP 2.

 

O que é que facilitou ter-se agora chegado a um novo compromisso sobre o Acordo Ortográfico: a saída da anterior ministra da Cultura ou o apelo do Presidente da República?

O Acordo está ratificado pelo Parlamento português desde 1991, agora só esteve em causa a sua entrada em vigor. Ora o Acordo tem uma dimensão estratégica e não vale a pena ter qualquer dúvida de que é o Brasil que hoje tem a liderança no plano da promoção da língua portuguesa. Se o Brasil, por exemplo, entrar para o Conselho de Segurança e levar consigo o português como língua oficial, se não levar consigo a matriz comum do Acordo, levará o português que se fala no Brasil. Se queremos promover a língua portuguesa...

Mas o inglês não necessitou de um acordo ortográfica para ser a primeira língua franca do mundo. Mais: parte do seu sucesso vem da sua capacidade de incorporar termos de outras línguas. Para quê então uniformizar se o importante é miscigenizar?

Estamos a falar apenas de unificar a grafia. A tendência do português é para a língua se afastar mais e mais de país para país e o problema põe-se, por exemplo, quando é necessário assinar um texto comum, internacional. Cada vez que há um encontro entre Portugal e o Brasil, passamos a vida a fazer compromissos para escolher as palavras. O inglês não tem esse problema, está consagrado, enquanto o português vai ter de conquistar o seu lugar. E se o português se consagrar como língua internacional, arriscamo-nos a ficar aqui como uma espécie de dialecto. Temos de compreender que, a nível internacional, não há futuro para a língua portuguesa sem o Brasil.

E está o Brasil empenhado em fazer do português um instrumento de afirmação externa?

Não esteve, mas começa a estar. O Brasil está a começar a perceber que um instrumento fundamental para a afirmação de um poder à escala regional ou mundial é a afirmação de uma língua. Ora se o português é a quarta língua, em termos culturais, a nível mundial, pois não tem as limitações geográficas do russo, do chinês ou do hindu, significa que tem uma capacidade única de se afirmar.

Portugal deve habituar-se à ideia de que será o Brasil a liderar a luta pela afirmação da língua portuguesa?

Não penso que seja uma questão de liderança, antes um problema de realismo entre Portugal, Brasil e até Angola. Temos de olhar para a CPLP como uma comunidade relativamente atípica, porque é única comunidade linguística em que a potência mais importante não é a antiga potência colonial. Talvez isso explique por que razão o Brasil não tem, até hoje, utilizado a CPLP como um instrumento de afirmação da língua. Mas a sensação que tenho é que hoje se começa a perceber que a CPLP pode ser importante para a sua afirmação externa, até porque tem uma agenda muito ambiciosa. Como não há nenhuma dimensão da afirmação externa de Portugal que seja conflitual com a do Brasil, devemos apostar na ambição dessa agenda externa. Até porque houve uma evolução da sociedade internacional no sentido de perceber que o Brasil é uma potência emergente.

Fonte

in Público do dia 13 de Abril de 2008