«Nenhuma soberania é dona da língua» - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
«Nenhuma soberania é dona da língua»

O presidente da Academia das Ciências de Lisboa, Adriano Moreira, exortou hoje os países da CPLP a «garantir os recursos financeiros e humanos para assegurar a aplicação do Acordo Ortográfico».

«A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa têm de decidir sobre os recursos financeiros e humanos para assumir os compromissos resultantes da aprovaçao do Acordo Ortográfico», disse Adriano Moreira.

O presidente da Academia das Ciências de Lisboa falava na Assembleia da República, durante uma conferência internacional/audição pública, promovida pela Comissão parlamentar de Ética, Socidade e Cultura, com a presença de deputados, embaixadores e linguístas.

Adriano Moreira considerou ainda fundamental que a CPLP planifique os "apoios" para executar o unificação ortográfica.

«Sem um plano de ajuda aos países da CPLP os prazos adoptados não garantem a sua viabilização», alertou, dando como exemplo Timor.

Sobre as divergências que o Acordo Ortográfico tem gerado - com diversas personalidades a esgrimir argumentos contra e a favor - Adriano Moreira considerou-as «naturais».

«Nenhuma soberania é dona da língua e a língua não é apenas nossa», sustentou.

Ler: Acordo Ortográfico à lupa no parlamento português

Fonte

in agência de notícias portuguesa Lusa, de 7 de Abril de 2008

Sobre o autor

Adriano Moreira (Macedo de Cavaleiros, 1922) é político, deputado, advogado, internacionalista, politólogo, sociólogo e professor universitário. Destacou-se pelo seu percurso académico e pela sua ação como ministro do Ultramar durante o Estado Novo. Após a instauração do regime democrático em Portugal, liderou o CDS. Presidiu à Academia das Ciências de Lisboa.