«As divergências ortográficas só podem gerar confusões no público» - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
«As divergências ortográficas
só podem gerar confusões no público»

Um representante da Academia Brasileira de Letras, Evanildo Bechara, considerou hoje que «as divergências ortográficas só podem gerar confusões no público».

Este linguista brasileiro falava durante uma conferência internacional/audição pública na Assembleia da República, organizada pela comissão parlamentar de Ética, Sociedade e Cultura para promover a reflexão sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Na sua intervenção, o linguista sustentou que «não é um acto de tirania nem ingerência do Estado estabelecer um acordo ortográfico nas instâncias de ensino, porque não impede os escritores de escolher a sua ortografia ou o homem comum de grafar como aprendeu na escola».

Evanildo Bechara salientou que a Academia Brasileira de Letras «defende a unidade ortográfica da língua portuguesa», porque «são muitos os benefícios e vantagens» para os membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Por seu turno, Amélia Mingas, presidente do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, organismo dentro da CPLP que trata das matérias relacionadas com a língua, defendeu a necessidade de «os vários interesses envolvidos serem equacionados, e não apenas os relacionados com o mercado editorial».

«Somos 250 milhões de habitantes do espaço dos falantes de português e cada país-membro da comunidade tem o seu contributo para o enriquecimento da língua portuguesa», observou.

Na conferência, Jaime Gama, presidente do parlamento, defendeu que «para esta matéria [o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa] ter o máximo de aceitabilidade, deve obter o máximo de unanimidade por parte da comunidade de países de língua portuguesa».

«A língua é o que justifica a união desta comunidade», lembrou o presidente do parlamento perante cerca de meia centena de participantes, entre embaixadores, deputados e linguístas.

Na sequência de uma resolução do Governo português, a Assembleia da República tem pendente para ratificação o segundo protocolo modificativo do Acordo Ortográfico que visa unificar a escrita do português, já aprovado pelo Brasil, Cabo Verde e São Tomé.

A conferência internacional/audição pública prossegue durante a tarde de hoje na Assembleia da República com um painel em que Carlos Reis e Vasco Graça Moura farão as intervenções iniciais, seguindo-se as outras entidades convidadas e os grupos parlamentares.

Ler: Acordo Ortográfico à lupa no parlamento português

Fonte

in agência de notícias portuguesa Lusa, de 7 de Abril de 2008

Sobre o autor

Professor, gramático e linguista brasileiro. Sócio correspondente da Academia das Ciências de Lisboa e da Academia Internacional da Cultura Portuguesa. Doutor Honoris Causa da Universidade de Coimbra (2000). É autor de conhecidas obras no domínio da descrição e da normativização da língua, de entre as quais se salientam: Moderna Gramática Portuguesa (37.ª edição, Rio de Janeiro : Editora Lucerna, 1999), Gramática Escolar da Língua Portuguesa (1.ª edição, Rio de Janeiro : Editora Lucerna, 2001), Lições de Português pela Análise Sintática (18.ª edição, Rio de Janeiro : Editora Lucerna, 2004) e Novo Dicionário de Dúvidas da Língua Portuguesa (Nova Fronteira, 2016). Ver mais aqui.