Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Vão/Irão construir»
Qual o certo: «os homens vão construir», ou «os homens irão construir»?

Obrigada.

Rosa Franco Doméstica Rio de Janeiro, Brasil 39K

1. As duas construções estão {#correctas|corretas}.

2. Em português europeu, a expressão exclusiva da posterioridade em relação a um dado ponto de referência raramente recorre ao futuro simples. Este tempo verbal está associado a valores modais de probabilidade, possibilidade, hipótese. Para designar a posterioridade recorre-se ao presente:

— quer em co-ocorrência com um adverbial de tempo de {#projecção|projeção} futura:
«Amanhã termino o relatório.»
— quer recorrendo à perífrase ir + infinitivo:
«Vou contratar um advogado.»

No português do Brasil, o futuro simples para exprimir uma {#acção|ação} futura é de uso mais {#frequente|freqüente}.

3. No que respeita ao tempo do verbo auxiliar ir, verifica-se a ocorrência do presente e do futuro com idênticos graus de incidência no português europeu e no português do Brasil, pelo menos no que toca ao uso escrito da língua.

Quer numa quer noutra variedade, a opção pelo futuro no auxiliar está associada à marcação de matizes modais:

«O protocolo prevê a execução de vinte e oito projectos, que irão movimentar cerca de oito milhões de contos» — o locutor/emissor apresenta a {#acção|ação} como o resultado de um cálculo;

«(...) os seres humanos irão entrar numa nova forma de existência eterna depois da morte» — o locutor/emissor apresenta a {#acção|ação} como o resultado de uma profecia/crença;

« (...) mandadas fechar as capoeiras da Rua Augusta e da Rua da Prata... e como até agora as autoridades não hajam fixado bairro às cidadãs, estamos sem saber onde irão elas parar com os costados» (Fialho de Almeida, Gatos) — o locutor/emissor marca desconhecimento face à realização futura da {#acção|ação};

«Montamos um esquema em que os próprios familiares irão pressioná-los a colaborar com o nosso lado» (Pedro Corrêa Cabral, Xambioá: Guerrilha no Araguaia) — o locutor/emissor apresenta a {#acção|ação} como ponderação de uma {#consequência|conseqüência}.

4. Há ainda a considererar o futuro histórico (ou futuro dos historiadores):

«O batalhão irá dizimar o adversário impiedosamente.»

Os exemplos do ponto 3 foram retirados de Corpus do Português Mark Davies/Michael J. Ferreira



Ana Martins