Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Regência verbal: comparar a / com

Gostaria de esclarecer uma dúvida sobre a regência do verbo comparar. Quem compara, compara "com" ou compara "à"?

Está certa a frase?

«Se eu comparar tudo que ele fez por mim à tudo que eu fiz por ele...»

Antonio Roberto Marques São Paulo, Brasil 20K

O verbo comparar tanto pode ter a regência da preposição a como da preposição com.

Na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, estas duas regências têm as seguintes abonações:

— «E se este livro se comparar com os outros seus, este foi a coroa de todos», António Vieira, Sermões;
— «o prazer de (...) não se compara ao prazer e consolação que eu senti...», Garrett, Viagens na minha Terra.

Na frase que apresenta, deverá utilizar a preposição a sem acento, porque ela não está contraída com nenhum artigo (o pronome tudo não é precedido de artigo).

N.E.:Comparar é um verbo de três lugares:
um sujeito, um complemento dire{#c|}to e um complemento
oblíquo/preposicionado iniciado pela preposição com ou ainda pela preposição a:

(1) «O presidente comparou a situação a{#c|}tual com aquela que vivemos nos anos oitenta.»

sujeito: «o presidente»

Complemento dire{#c|}to: «a situação a{#c|}tual»

Complemento oblíquo/preposicionado: «com aquela que vivemos ...»


M.R.M.R./ A.P.