Quando, advérbio relativo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Quando, advérbio relativo

Existe algum caso em português em que quando possa ser considerado pronome relativo?

Obrigada.

Laura Mendes Professora Braga, Portugal 6K

Introduzindo orações relativas, quando é um advérbio relativo e não costuma ser classificado como pronome relativo. Além disso, a norma-padrão não aceita frases em que quando tem um antecedente. É, portanto, incorreta uma frase como «não me lembro do dia quando nasci», que terá de ter a formulação «não me lembro do dia em que nasci».

Apesar de quando poder ter um antecedente implícito – «telefono-te quando sair da reunião» = «telefono-te no momento em que sair da reunião» –, a descrição gramatical tem classificado as suas ocorrências à cabeça de orações relativas como as de um advérbio relativo, e não como um pronome relativo.

É de notar que, em português, os falantes manifestam alguma relutância em relação a frases como «os alunos contestaram a data para quando o exame foi marcado», preferindo «os alunos contestaram para quando o exame foi marcado» ou «os alunos contestaram a data para a qual o exame foi marcado» (cf. Gramática do Português, 2013, pp. 2107/2108, da Fundação Calouste Gulbenkian). No entanto, em espanhol e inglês, é possível as palavras correspondentes a quando terem um antecedente explícito: «todavía recuerdo el día cuando dimitió Suárez» («ainda me lembro do dia em que Suárez se demitiu») e «I will never forget the day when I left Paris» («nunca esquecerei o dia em que deixei Paris») – idem, p. 2108, n. 66).

Carlos Rocha