«Prequela» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Prequela»

É «legítima» a utilização da palavra "prequela", de significado oposto a "sequela", i. e., referente a uma obra em que a acção decorra antes de outra, escrita ou filmada primeiramente? O termo existe em inglês, como comprovei no dicionário Webster «online», mas tem sido mais empregue recentemente com a «histeria» sobre a "prequela" do novo filme da «Guerra das Estrelas».

Ouço o termo há muito tempo, pelo menos em inglês, e nunca me ocorreu que não pudesse, ou não devesse, ser usado em português.

Luís Canau Jurista Portugal 4K

Enquanto sequela já existia em latim, língua em que significava «séquito», prequela é um mamarracho, pelo menos em português. No inglês vale tudo, pois é um idioma que, pela sua estrutura, admite toda a espécie de vocabulário neológico, sem que tal o afecte. De facto, como é extremamente analítico, o inglês aproxima-se das línguas monossilábicas, pelo que até lhe chamam o «chinês do Ocidente».

N. E. (18/06/2013) - A palavra prequela (pronunciada "precuela") encontra-se registada no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Porto Editora (quer na versão impressão quer na versão em linha na Infopédia) e no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, com o significado de «obra cinematográfica ou literária cuja história ou enredo serve de antecedente a uma já existente». Não obstante, é ainda uma palavra de construção discutível, à luz dos critérios mais tradicionais aplicáveis à construção de neologismos: é um decalque de prequel, palavra inglesa que resulta da prefixação de pre ao elemento -quel, que a rigor não é um radical nem tem um significado próprio, a não o que advém da forma de que é truncação, sequel (cognato de sequela). Mantém-se a resposta original, documentando como os processos de truncação ou abreviação vocabular inspirados pelos empréstimos do inglês (língua em que tal processo morfológico é muito produtivo) suscitaram no passado recente muitas reservas no plano normativo.

F. V. Peixoto da Fonseca