Oração subordinada causal e oração subordinada consecutiva - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Oração subordinada causal e oração subordinada consecutiva

«O prussiano não se atirou sobre o oponente, tamanho era seu espanto.» Como se classificam as orações na frase?

Observo que, se a ordem delas for alterada – «Tamanho era seu espanto que o prussiano não se atirou sobre o oponente» –,curiosamente, a análise se altera também. Porquê?

Obrigado.

Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 42

São apresentadas duas frases com as mesmas palavras, mas cuja análise sintática é diferente, visto que o posicionamento dos constituintes foi alterado. Passemos, então, à sua classificação.

1. «O prussiano não se atirou sobre o oponente, tamanho era seu espanto.» 

A primeira frase tem duas orações:

oração subordinante  – «O prussiano não se atirou sobre o oponente...»

oração subordinada adverbial causal – «...tamanho era seu espanto.»,  em que está omissa a conjunção, embora seja evidente o nexo de causalidade «(porque) era tamanho o seu espanto 

2. «Tamanho era seu espanto que o prussiano não se atirou sobre o oponente.»

Nesta segunda frase, como se invertem os termos, o sentido da frase altera-se: aquilo que na primeira era causa, agora, é o que provoca uma consequência.

Assim, a classificação das orações desta frase é a seguinte:

oração subordinante – «Tamanho era seu espanto»

oração subordinada adverbial consecutiva – «que o prussiano não se atirou sobre o oponente.

Aura Figueira
Áreas Linguísticas: Sintaxe Campos Linguísticos: Orações