O e em dois versos de Sophia de Mello Breyner - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O e em dois versos de Sophia de Mello Breyner

Estou a estudar Sophia de Mello Breyner e aparece-me a seguinte pergunta em relação a dois pares de versos.
«Porque os outros se compram e se vendem/
E os seus gestos são sempre dividendo.»
«Porque os outros vão à sombra dos abrigos/
E tu vais de mãos dadas com os perigos.»

A pergunta que é a seguinte:
Qual a razão de a conjunção "e" não ter o mesmo valor nos dois pares de versos citados?
Quem me puder ajudar, agradecia.

Joana Santos Brasil 3K

O primeiro e é conjunção copulativa, estabelece mera ligação, e o segundo é conjunção adversativa, equivale a um mas.

 

F. V. Peixoto da Fonseca