"O" Chipre - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
"O" Chipre

Essa fonte inesgotável de "pérolas" da língua e cultura portuguesas que é a RTP atacou em diversas frentes – vide vários jornalistas e cronistas – na semana passada com o jogo contra O Chipre!!! Fiquei na dúvida: iria jogar a equipa das quinas contra un cornupto ou já estarei desfazado e agora essa ilha mediterrânica tem novo apêndice em forma de artigo? Que eu me lembre sempre ouvi falar de e não d... Já agora, existe alguma regra para o uso do artigo nos topónimos e quejandos?

E, recado a quem em Portugal se preocupa por preservar o nosso idioma: não há um provedor do telespectador, ou melhor, um sistema de sanções para os jornalistas e detentores de cargos públicos que vêm para as nossas queridas pantalhas "avacalhar" a "língua de oito nações"??? E o Ministério da Educação não poderia estar mais atento àquilo que é visto e ouvido "em todo o mundo, 24 horas por dia", como reza a auto-publicidade da RTPi? É frequente sentir-me envergonhado, se não mesmo furioso com as barbaridades que pessoas com tamanhas responsabilidades dizem sem o menor pejo diante das câmaras... Enfim, se a própria ministra da Saúde nos apresentou a nova figura dos "intervencionados"...

Muito obrigado pela atenção, perdoem-me pelo desabafo e parabéns pelo vosso excelente trabalho.

João Miranda Intérprete de língua portuguesa Bruxelas, Bélgica 5K

É mais «bonito» dizer jogar com que jogar contra, não se acentua a animosidade entre adversários.

Também tem razão quanto ao abuso de o com o nome da ilha (ilha de Chipre, mas as ilhas do Japão). Não há propriamente regra, é questão de uso; há nestes casos uma espécie de «direito consuetudinário». Diz-se Chipre e o Japão; este sempre com o artigo.

As suas censuras são as de todos quantos (será que somos muitos?) prezamos a pureza da nossa língua. Desabafos assim são sempre oportunos, mas infelizmente não produzem quaisquer resultados.

F. V. Peixoto da Fonseca