Novos termos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Novos termos

A partir de que ponto é que consideramos uma palavra nova, como parte do vocabulário português?
Será legítimo pensar que "Internet" já faz parte da nossa língua e é correcto ser utilizado? E termos que daí derivam, como "Internetês" (que, supostamente, seria o "dialecto" da Internet), termo que utilizo frequentemente?

António Miguel Ferreira engenheiro Porto, Portugal 6K

Uma palavra nova passa a fazer parte do vocabulário português, quando se fixou definitivamente. Mas este definitivamente quem o sabe? Às vezes, fixa-se dum dia para o outro, digamos. Outras vezes, anda por cá dezenas e dezenas de anos, e depois desaparece. Entre muitos exemplos podemos citar "chofer", "peluche", "verve", "madame".

Por tudo isto, é dever nosso ajudar os estrangeirismos a desaparecerem.

Internet não faz parte do nosso vocabulário, porque não pertencem à nossa língua as palavras terminadas em -t. Por isso o latim "deficit" e o francês "bonnet" se aportuguesaram em défice em boné.

Internet é palavra internacional. Para ser portuguesa, devia terminar em vogal: "internete", "interneta" ou mesmo "interné".

Não podemos desaconselhar "internetês", não como dialecto, mas como gíria. Dialecto é outra coisa, como ensinam os dicionários.

José Neves Henriques