Estrangeirismos, outra vez - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Estrangeirismos, outra vez

Existe em Portugal alguma entidade, grupo de trabalho e/ou pessoa responsável(eis) pela tradução/adaptação/introdução na língua dos estrangeirismos?

Faço esta pergunta dado que, quanto maior for o período de tempo em que elas são utilizadas, mais difícil se torna a assimilação da "congénere" portuguesa por parte da população. Não só por falta de conhecimento como também por ser um pouco ridicularizada, sem que haja uma razão racional para tal atitude (ex: "Windows"-Janelas, "Franchising"-???, "Bold"-Negrito).

Gostaria igualmente de pedir o conselho do Ciberdúvidas sobre possíveis publicações onde possamos encontrar expressões portuguesas para estrangeirismos.

Agradeço antecipadamente a vossa resposta.

Nuno António Portugal 3K

Em Portugal, a entidade que oficializa os termos da língua é a Academia das Ciências de Lisboa. Tem sido lenta neste objectivo. Como já indiquei anteriormente, anunciou-se que iria ser publicado um dicionário oficial actualizado, com inclusão de muitos neologismos. Aguardemos.

Tem toda a razão quanto à necessidade de substituir o estrangeirismo inconveniente logo que ele surge na escrita. Depois, é difícil, se não impossível, substituí-lo (ex.: «marketing» por mercadologia).

Nos termos que aponta, `Windows´ é o nome duma marca, e não é de norma a sua substituição por outro termo; em «franchising» será já talvez difícil também a sua substituição; quanto a «bold», sim, é um barbarismo evitável e deve usar-se o negrito, há muito consagrado.

Existem várias obras que dão recomendações sobre a substituição de estrangeirismos por termos vernáculos: dicionários, vocabulários, trabalhos específicos. Sem desprimor para outras, cito, por exemplo:

«Estrangeirismo na Língua Portuguesa» de José Pedro Machado;

«Dicionário de Estrangeirismos», de Francisco Alves da Costa.

Na Sociedade da Língua Portuguesa, secção de Linguística, o grupo que vem tratando da Provedoria da Língua tem como objectivo, também, sugerir orientações sobre os termos vernáculos recomendados para substituir barbarismos. Este grupo de trabalho está em reorganização e oportunamente informará como vai fazer a divulgação suficiente das suas propostas.

Cibernota:

As obras acima referidas podem ser adquiridas através da Internet:

D´Silvas Filho