Estar + gerúndio ou infinitivo, de novo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Estar + gerúndio ou infinitivo, de novo
Afirma o Sr. F. V. Peixoto da Fonseca que as construções "estar dormindo" e "estar a dormir" "são praticamente sinónimas". Com isto, supõe, quero crer, que não são totalmente sinônimas. Peço a gentileza de identificar com clareza aquelas situações em que as duas formas não são sinônimas.
Por outro lado, estou imensamente curioso em conhecer, no original, o trecho do parecer das autoras Deolinda Monteiro e Beatriz Pessoa – citadas pelo consulente Francisco, que acedeu desde a Finlândia – que defendem a diferenciação de significado entre as duas fórmulas. Será possível prestar-me (a mim e aos demais visitantes desta página) o favor de reproduzir a íntegra desse trecho? Caso não esteja ao alcance de Ciberdúvidas o texto em pauta, dirijo meu apelo ao próprio Francisco, com minha antecipada gratidão.
Aproveito para registrar minha estranheza ante o fato de ter o Sr. Peixoto da Fonseca afirmado que "a forma com gerúndio (semelhante, por acaso, à construção progressiva em inglês) é dialectal." Pedirei ao autor que explique por que considera dialetal esta forma consagrada pela norma culta brasileira.
Talvez valesse a pena que o Sr. Peixoto da Fonseca acrescentasse, na tréplica que houver por bem divulgar, por que razão mencionou ele a semelhança ("por acaso") entre o "estar + gerúndio" e a forma progressiva em inglês. Espero que não esteja o ilustre consulente inferindo (a inferir) que a influência inglesa "caiu" casualmente no falar brasileiro, algarvio e alentejano, e aí fixou raízes. Nunca é demais recordar, a propósito, que o "estar + gerúndio" é forma correta (e única aceitável, no caso específico) na língua espanhola. Caso admitamos que seu uso no mundo lusófono é decorrência de influência estrangeira, será mais razoável supor que este fenômeno tenha tido sua origem no padrão ibérico, jamais anglo-saxão.
Finalmente, cumpre-me ressalvar: não duvido do descortínio do Sr. Peixoto da Fonseca, e estou seguro de que sua resposta será convincente e enriquecedora para todos nós.
Obrigado.
José de Almeida Padilha Brasil 3K
Se quiser tire o «praticamente»! Não faça cerimónia!
É dialectal em português europeu, como julgo ter dito. Hoje, de facto, já não se considera o português do Brasil como um dialecto, o que fazia ainda o grande José Leite de Vasconcelos, e não usei o vocábulo senão referindo-me a Portugal.
Seria considerar-me estúpido que eu fosse julgar que o inglês influenciou a construção portuguesa; trata-se claro de mera coincidência, como também deve calcular, e há muitas em todas as línguas. E já agora deixe-me dizer-lhe que *descortínio não é nada, mesmo em português na sua variante brasileira; a forma correcta é descortino, como pode ver no Aurélio.

F. V. Peixoto da Fonseca