A palavra «webgrafia» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A palavra «webgrafia»

Sempre que faço referência a um conjunto de sítios de Internet consultados para desenvolver determinado trabalho, os meus formandos (e alguns formadores) insistem na designação "webgrafia". Eu evito usar a palavra por ter dúvidas quanto à sua correção e aplicabilidade e, consultando o Portal da Língua Portuguesa, ela não aparece. Existe mesmo esta palavra? Devo usá-la?

Obrigada.

Ana Galhanas Formadora Lisboa, Portugal 13K

A forma webgrafia encontra alguns problemas. Há cerca de seis anos, defendeu-se no Ciberdúvidas formas como webibliografia, mas com bastantes reservas. No entanto, o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora (disponível na Infopédia) regista webgrafia, com o significado de «lista de sítios e recursos disponíveis na internet para pesquisa de informação sobre um determinado tema ou assunto». Além disso, a palavra está cada vez mais em uso.

Mesmo assim, pode objetar-se que ela se vê afetada pela sua incoerência morfológica, tendo em conta os elementos e os padrões tradicionais de formação de palavras em português, porque associa uma palavra inglesa, de origem germânica, a uma forma culta que inclui um elemento grego (-graf- do grego graphê, ês, «escrita, escrito, convenção, documento, descrição», Dicionário Houaiss). Acontece que a tradição gramatical do português considera inaceitáveis estes compostos. Além disso, a palavra é também incoerente do ponto de vista ortográfico porque apresenta uma sequência que, além de não constituir um nome prórpio, é característica da ortografia do inglês, e não do português.

Em suma, é uma forma cuja frequência de uso tem aumentado, mas que, dados os problemas apontados, pode encontrar resistências em certos meios. Não podemos por enquanto recomendá-la. Em seu lugar, use-se bibliografia, conforme se justifica em resposta anterior.

Carlos Rocha