Manuel Costa Alves - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Manuel Costa Alves
Manuel Costa Alves
213

Meteorologista português reformado, foi dos rostos da informação meteorológica na RTP, e dez anos mais tarde da TVI, onde permaneceu até 1998. Autor dos livros Mudam os Ventos Mudam os Tempos – Adagiário Popular Meteorológico (1996), Voltar a Timor (1998), Podia Ser de Outra Maneira (2000) e dos livros de poesia Corpo Aberto (2016) e De muitos ventos e utopia (2018).

 
Textos publicados pelo autor
Dobrar a língua
Sobre as saudações «Bom dia!», «Boa tarde!» ou «Boa noite!»... que não excluem ninguém

«Além de escorregarmos do pé, todos, vulgares cidadãos e até os eleitos em nosso (distantíssimo) nome, escorregamos da língua. Até os eleitos? Sobretudo e deixo implícito «todos e todas», pois não posso andar sempre com a língua a dobrar os sinos por causa do que o histórico machismo fez ao feminino.»

 

Texto da autoria de Manuel Costa Alves, transcrito, com a devida vénia, do semanário Reconquista, com a data 14 de dezembro de 2023.

Uma sorte macaca
Um divertido apanhado de expressões idiomáticas em tempo da covid

«Estou sempre a faltar ao respeito a quem quer «cada macaco no seu galho». Mesmo não infetado pelo Corona (assim espero estar e continuar), terei avariado por outros motivos; se calhar, será do ar fétido deste viver que o vírus nos trouxe. Já lá vão nove meses e, por dentro do medo, nunca se sabe o que o medo mais fará. «A quem mal vive, o medo o segue». Enfim, a gente desata a colecionar macaquinhos no sótão e não sabe se consegue ficar imunizado contra o medo».

 

Texto do meteorologista português reformado Manuel Costa Alves, transcrito, com a devida vénia, do semanário regional da Beira Baixa Reconquista, com a data de 3 de dezembro de 2020.