José Eduardo Agualusa - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
José Eduardo Agualusa
José Eduardo Agualusa
5K

José Eduardo Agualusa, jornalista e escritor angolano, nascido no Huambo, em 1960. O Vendedor de Passados (2004) é o seu mais recente romance, depois de Catálogo de Sombras (contos, 2003), O Ano em que Zumbi Tomou o Rio (2002), Estranhões e Bizarrocos (com Henrique Cayatte, 2000), Um Estranho em Goa (2000), Estação das Chuvas (1997), Nação Crioula (1998), A Feira dos Assombrados (1992), D. Nicolau Água Rosada e Outras Histórias Verdadeiras e Inverosímeis (1990) e A Conjura (1989). Publicou ainda (em 1993) uma grande reportagem sobre a comunidade africana na capital portuguesa, Lisboa Africana, em colaboração com o jornalista Fernando Semedo e a fotógrafa Elza Rocha.

 
Textos publicados pelo autor
Por uma irmandade da língua
No espaço pluricontinental onde o português convive com outros idiomas locais

«A língua portuguesa é uma construção conjunta de todos aqueles que a falam — e é assim desde há séculos», escreve neste artigo, dado à estampa no semanário Expresso do dia 1 de junho de 2019, o jornalista e  escritor angolano José Eduardo Agualusa. «A minha língua — aquela de que me sirvo para escrever —, não se restringe às fronteiras de Angola, de Portugal ou do Brasil. A minha língua é a soma de todas as suas variantes. É plural e democrática.»

 

Um texto que evidencia a riqueza linguística fruto do convívio da língua portuguesa com as línguas naturais (indígenas) dos países africanos e do Brasil, retirado do livro Milagrário Pessoal, de José Eduardo Agualusa.

 

«Um povo que deixa o seu idioma degradar-se, aceitando todo o tipo de estrangeirismos, contributos desnecessários, em breve estará de joelhos.» Extrato do livro Milagrário Pessoal, de José Eduardo Agualusa.

A nós interessam-nos as palavras novas, disse eu. lara trabalha com neologismos. Selecciona os neologismos que devem ser dicionarizados.

Alexandre Anhanguera estremeceu, trocou um rápido olhar com Plácido Domingo.

Língua materna vs. língua madrasta. Uma proposta de paz

O escritor angolano José Eduardo Agualusa reflecte sobre a rápida expansão do português em Angola, após a independência, propondo o uso dos idiomas nacionais na literatura desse país.

 

 

Não há como a brutal aspereza do alemão quando o que se pretende é intimidar alguém. Experimente, por exemplo, gritar "Macht es Ihnen etwas aus, wenn ich rauche?", enquanto arranha o ar com os punhos, e vai ver que o efeito é aterrador.

A frase em causa, no entanto, significa simplesmente «Importa-se que eu fume?».