Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
José Albano
José Albano
503

José Albano, (Fortaleza, 1882 — Montauban, França, 1923) foi um poeta brasileiro. Estudou em várias escolas da europa mas é no Brasil que inicia o curso de Direito que não conclui, dedicando-se, posteriormente, ao ensino no Latim. Teve ainda uma breve carreira no Ministério das Relações Exteriores, que viria também a abandonar para viajar pelo mundo. Da sua obra poética podemos contar com Rimas de José Albano – Cançam e Camoens (1912), Antologia Poética de José Albano (1918).

 
Textos publicados pelo autor

Língua minha, se agora a voz levanto,
Pedindo à Musa que me inspire e ajude,
Somento soe em teu louvor o canto,
Inda que a lira seja fraca e rude;
E tudo quanto sinto na alma, o digo,
Já que na alma não cabe,
Contigo viva e acabe — só contigo.

Língua minha dulcissona e canora,
Em que mel com aroma se mistura,
Agora leda, lastimosa agora,
Mas não isenta nunca de brandura;
Língua do gram Camões, a que ele ensina
A sinfonia rara,
Que em tudo se compara — co´a latina.