Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Francisco Belard
Francisco Belard
1K

Francisco Belard (Beja, 1946), licenciado em História pela Universidade de Lisboa, é professor na Escola Superior de Jornalismo de Lisboa. A par dessa função, é ainda jornalista dos jornais diários República, A Luta, Diário de Notícias, do Semanário Expresso e colaborador na revista Ler.

 
Textos publicados pelo autor

As palavras «islamista» e «islamita» coexistem na imprensa portuguesa, como aqui já se deu nota no Ciberdúvidas, e  por várias vezes. O jornalista Francisco Belard propõe-se  «reduzir a confusão» no texto a seguir transcrito, com a devida vénia ao Expresso.

Será discriminatório dizer a presidente, passando a ser obrigatório a presidenta? Há quem adore os debates «de género». Eu acho alguma graça, mas recomendo calma.

Grafias erradas, frases mal construídas, redundâncias, incongruências, falhas de concordância ou de regência e erros de tradução proliferam no português escrito e falado, hoje em Portugal – é a síntese de um artigo do jornalista Francisco Belard, publicado no caderno "Actual" do semanário "Expresso" do dia 18 de Março de 2006. É o seguinte o texto integral, escrito a propósito do recém-pulicado livro Gente Famosa Continua a Dar Pontapés na Gramática - Manual de ...

Será ilusão de óptica, mas creio que quanto a percentagem de gralhas a Imprensa portuguesa não está na cauda da Europa. Não tenho provas disto, logo não o afirmo; é só uma impressão. Seja como for, o fenómeno é patente e excessivo, indiciando deficiências de formação, fraco profissionalismo, incultura geral e, para sermos generosos, má relação com o oftalmologista. Reflecte duas coisas de que somos acusados: impreparação e baixa produtividade. Depois, há problemas de treino, sensibilidade, ca...

Apesar das aparências, as questões da língua portuguesa não deixam toda a gente insensível. Na quarta-feira, veio ter comigo um camarada da «Única» que, rindo, me mostrou o modo como na "Focus" se escreve slogan: slôgane. Disse-lhe que já tinha visto o barbarismo, ou a barbaridade, pelo menos uma vez. «E já sabes do ferribote?», replicou. Não, respondi. «Vem no dicionário.»

Não foi difícil adivinhar em que dicionário. Lá está, pág. 1728 do volume I: «ferribote .... s. m. (do ingl. ...