Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Fernando Pessoa
Fernando Pessoa
951

Fernando Pessoa (Lisboa, 1888 – Lisboa, 1935) poeta e ensaísta português,  considerado uma das maiores figuras da literatura em língua portuguesa. A sua infância e juventude é passada na África do Sul, onde aprende perfeitamente o inglês, tendo escrito algumas obras nessa língua. Apenas um ano antes da sua morte, publica Mensagem, que é o único livro de Fernando Pessoa, em língua portuguesa, editado em vida. A sua obra poética define-se pela criação de múltiplas personalidades literárias, os chamados heterónimos, entre os quais os mais conhecidos são Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro, que são objeto da maior parte dos estudos sobre sua vida e obra. Um quarto heterónimo importante é Bernardo Soares, autor do Livro do Desassossego. Mais informação aquiaqui e aqui.

 
Textos publicados pelo autor
O céu 'strela o azul e tem grandeza.
Este, que teve a fama e à glória tem,
Imperador da língua portuguesa,
Foi-nos um céu também.

No imenso espaço do seu meditar,
Constelado de forma e de visão,
Surge, prenúncio claro do luar,
El-Rei D. Sebastião.

Mas não, não é luar: é luz do etéreo.
É um dia; e, no céu amplo de desejo,

A madrugada irreal do Quinto Império
Doira as margens do Tejo.


A nossa magna lingua portugueza

De nobres sons é um thesouro.

Seccou o poente, murcha a luz represa.

Já o horizonte não é oiro: é ouro.


Negrou? Mas das altas syllabas os mastros

Contra o ceu vistos nossa voz affoite.

O claustro negro ceu alva azul de astros,

Já não é noute: é noite.


26-8-1930

As palavras estrangeiras, entendendo por estrangeiras as que, não sendo portuguesas, não são contudo gregas nem latinas (ou árabes?), são de três espécies:

a)As que são absolutamente estrangeiras e ou não susceptíveis de nacionalização (como whisky, kirsh, que são paralelas, na matéria, a apelidos estrangeiros e aos nomes de terras estrangeiras que não tiveram nome latino ou grego como o são às citações em língua estrangeira, que haja necessidade de fazer), ou podendo t...