Eva Arim - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Eva Arim
Eva Arim
2K

Licenciada em Linguística pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e investigadora do ILTEC.

 
Textos publicados pela autora

O verbo sobrestar, com o sentido de «suspender», é transitivo directo, não regendo, por isso, qualquer preposição. A construção correcta será, assim, «sobrestar o julgamento».

Como o consulente refere, e bem , o verbo almejar pode ser transitivo directo ou indirecto, não sendo o seu sentido alterado pela alternância de regência .

Quando transitivo indirecto, o verbo almejar rege a preposição por .

Luft, no seu Dicionário Prático de Regência Verbal, regista a seguinte frase: «Ela almeja (por) ser actriz.»

O verbo incomodar-se tem diferentes regências consoante o seu complemento seja de natureza nominal ou oracional.

Quando o seu complemento é um sintagma nominal, rege a preposição com:

«Ele não se incomoda com ninguém.»

Quando o seu complemento é uma oração infinitiva, rege a preposição em ou, menos usual, a preposição a:

«Não se incomode em fazer o jantar.»

«Não se incomode a fazer o jantar.»

O adjectivo esperançado rege a preposição em. Esta é obrigatória quando o seu complemento é de natureza nominal, mas opcional quando esperançado tem como complemento uma oração.

Assim, estão correctas as construções que se seguem:

«A mãe está esperançada na volta do seu filho.»

«A mãe está esperançada em que o seu filho volte.»

«A mãe está esperançada que o seu filho volte.»

Os puristas da língua reconhecerão como construções bem formadas em português apenas as duas primeiras (com preposição). No entanto, construções não preposicionadas deste tipo são extremamente frequentes no discurso dos falantes, estando mesmo registadas nos dicionários da língua. O Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, por exemplo, regista a frase «estamos esperançados que, nesta matéria, os deputados […] não vão ficar insensíveis».

Ambas as construções estão correctas.

O Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, por exemplo, regista os seguintes exemplos:

«Trabalhar em advocacia.»

«Trabalhar em carpintaria.»

«Trabalhar no teatro.»

O uso do artigo pode, no entanto, ser omitido na referência a actividades mais genéricas ou ser preferencial quando nos referimos a actividades mais específicas: «Trabalho em investigação», mas «Trabalho na investigação de crimes de droga».